,

Issei Sagawa: Um canibal japonês

Opa, você que não suporta pessoas que fazem aquele barulhinho irritante ao limpar os dentes queridos leitores! A dica de hoje, é do leitor Fábio Albuquerque, via email. Apesar de já ter uma matéria aqui, sobre este caso, resolvi voltar a postar, pois o vídeo já não se encontra disponível na outra matéria, que foi feita pelo Danibrowser ainda em 2010.

Na tarde de 13 junho de 1981, um estudante de pós-graduação japonês chamado Issei Sagawa foi até o parque Bois de Boulogne em Paris carregando duas malas. O conteúdo delas, para desespero da pessoa que as encontrou, eram os restos mortais de sua colega de curso Renée Hartevelt. Sagawa a havia matado três dias antes e comido partes do seu corpo.

Ele foi preso em seguida. De acordo com testemunhas, Sagawa gritou “Eu a matei para comer sua carne!”, durante a busca em sua casa, onde partes de Renne ainda estavam geladeira.

Sagawa foi considerado doente mental, o que gerou inimputabilidade penal e sua internação em Paris. Seu confinamento não durou muito, já que o governo francês decidiu deportá-lo para sua terra natal. No Japão Sagawa foi novamente internado em uma clínica psiquiátrica, mas no dia 12 de agosto de 1986, devido a uma série de brechas na lei pelo fato do crime ter ocorrido em outro país, ele foi solto e segue em liberdade até hoje.

Quem quiser saber um pouco mais, pode clicar AQUI e conferir o post do Danibrowser.

cadaver_de_sagawa

cadaver_de_sagawa1

cadaver_de_sagawa2

cadaver_de_sagawa3

sagawa_06

Usuário Android, iOS ou Windows Phone clique AQUI.

E por hoje, é só. Sugestões no [email protected] ou no Facebook.

Até a próxima. Beijo na bunda! :P

Written by Peu

Namorado da Miss Sombra, sou apaixonado por voar e por música. Um Pernambucano que gosta de tudo um pouco.
"Sou o coração do folclore nordestino, eu sou Mateus e Bastião do Boi Bumbá. Sou o boneco do Mestre Vitalino, dançando uma ciranda em Itamaracá. Eu sou um verso de Carlos Pena Filho, num frevo de Capiba, ao som da orquestra armorial. Sou Capibaribe num livro de João Cabral.

SOU MAMULENGO DE SÃO BENTO DO UNA, vindo no baque solto de um Maracatu! Eu sou um alto de Ariano Suassuna, no meio da Feira de Caruaru. Sou Frei Caneca do Pastoril do Faceta, levando a flor da lira pra Nova Jerusalém... Sou Luis Gonzaga e eu sou mangue também.

Eu sou mameluco, sou de Casa Forte... Sou de Pernambuco, sou o Leão do Norte.

Sou Macambira de Joaquim Cardoso. Banda de Pífano no meio do Canavial. Na noite dos tambores silenciosos, sou a calunga revelando o Carnaval. Sou a folia que desce lá de Olinda, o homem da meia-noite puxando esse cordão... Sou jangadeiro na festa de Jaboatão

Eu sou mameluco, sou de Casa Forte... Sou de Pernambuco, sou o Leão do Norte."

Comentários