,

Animais Em Circos: A Realidade Por Trás Do Picadeiro

Opa, bando de pederastas escrotos queridos leitores! A ideia do post de hoje surgiu logo após um menino ter sido atacado por um tigre num zoológico em Cascavel – PR (Clique AQUI para ver o post sobre esse caso). Então, por se tratar de algo com um animal selvagem incluído, eu me senti inspirado a finalmente preparar este post, que tinha vontade de ver por aqui desde muito antes de me tornar autor dessa birosca. Vamos lá.

O Circo

cirque-du-soleil2O circo (do latim circus, “circunferência”) é comumente uma companhia em coletivo que reúne artistas de diferentes especialidades, como malabarismo, palhaços, acrobacias, contorcionismo, equilibrismo, ilusionismo, entre outros.

A palavra também descreve o tipo de apresentação feita por esses artistas, normalmente, uma série de atos coreografados à músicas. Um circo é organizado em uma arena/picadeiro circular, com assentos em seu entorno, enquanto circos itinerantes costumam se apresentar sob uma grande tenda ou lona.

urlDos chineses aos gregos, dos egípcios aos indianos, quase todas as civilizações antigas já praticavam algum tipo de arte circense há pelo menos mil anos, todavia, o circo como se conhece hoje só começou a tomar forma durante o Império Romano. O primeiro a se tornar famoso foi o Circus Maximus, que teria sido inaugurado no século VI a.C., com capacidade para 150 mil pessoas. A atração principal eram as corridas de carruagens, mas, com o tempo, foram acrescentadas as lutas de gladiadores, as apresentações de animais selvagens e de pessoas com habilidades incomuns, como engolidores de fogo e espadas. Destruído por um grande incêndio, esse anfiteatro foi substituído, em 40 a.C., pelo tão conhecido Coliseu, cujas ruínas até hoje compõem o cartão postal número um de Roma. Esta, por sua vez, tem papel muito importante na história do circo.

circense5Com o fim do império dos Césares e o início da era medieval, artistas populares passaram a improvisar suas apresentações em praças públicas, feiras e entradas de igrejas. “Nasciam assim as famílias de saltimbancos, que viajavam de cidade em cidade para apresentar seus números cômicos, de pirofagia, malabarismo, dança e teatro”.

Tudo isso, porém, não passa de uma pré-história das artes circenses, porque foi só na Inglaterra do século XVIII que surgiu o circo moderno, com seu picadeiro circular e a reunião das atrações que compõem o espetáculo ainda hoje. Cavaleiro de 1 001 habilidades, o ex-militar inglês Philip Astley inaugurou, em 1768, em Londres, o Royal Amphitheatre of Arts (Anfiteatro Real das Artes), para exibições eqüestres. Para quebrar a seriedade das apresentações, alternou números com palhaços e todo tipo de acrobata e malabarista.

Escola-Nacional-de-Circo.-Foto-S.-Castellano5A história do circo no Brasil começa no século XIX, com famílias e companhias vindas da Europa, onde se agruparam em guetos e manifestavam sentimentos diversos através de interpretações teatrais onde não demonstravam apenas interesses individuais e sim despertavam consciência mútua.

No Brasil, mesmo antes do Cirque Du Soleil, já havia os ciganos que vieram da Europa, onde eram perseguidos. Sempre houve ligação dos ciganos com o circo. Entre suas especialidades incluíam-se a domadores de ursos, o ilusionismo e as exibições com cavalos.Eles viajavam de cidade em cidade, e adaptavam seus espetáculos ao gosto da população local. Números que não faziam sucesso na cidade eram tirados do programa.

O Uso de Animais Em Circos

elefantesHá uma grande controvérsia sobre o uso de animais em circos, há duas correntes de pensamento, com prós e contras o uso de animais em shows. Segundo a corrente de pessoas que são contra o uso de animais em circo, seu uso tem sido gradativamente abandonado, uma vez que tais animais por vezes sofriam maus-tratos (tais como dentes precariamente serrados, jaulas minúsculas, estresse etc.) e, além disso, eram frequentemente abandonados, já que a manutenção de grandes animais, como tigres e elefantes demanda muito dinheiro. Há ainda inúmeros casos em que acidentes, principalmente envolvendo animais selvagens, nos quais pessoas saem feridas ou até mesmo mortas, como o caso de uma garota chinesa, atacada por um tigre.

Por outro lado existem inúmeros circos brasileiros que possuem infra-estrutura e recursos para manterem seus animais, com auxilio de biólogos e veterinários contratados para garantir o bem estar dos animais. A maioria deles com documentação do Ibama.

Fonte: Wikipedia.

Até agora, tudo muito lindo. :D

farm1.static.flickr.com.96.226299575_b38f75eed7

200248287-001

circo431210-01-04

elefantes

 

 

Mas o que a gente não vê, é isso:

 

 

circo_1

Circo-animal-em-extin

tiger-transported-inside-a-cage

Leon

safe_image.php

eslovenia animais em circos foto elefantes

Elef

circos-com-animais-imagem2

circo3

Vejamos este pequeno documentário, divido em 3 partes:

Usuário Android, iOS ou Windows Phone clique AQUI, AQUI e AQUI.

Vejamos agora alguns fatos “curiosos” sobre animais mantidos em circos:

Grandes Felinos (Leões, Tigres, etc.)

Felinos (grandes ou pequenos) são animais “preguiçosos”. Resumem seu dia a comer e descansar, e não são animais obedientes como os caninos, por exemplo. São territoriais e possuem gênio forte, não se intimidando facilmente. São animais que sabem aguardar oportunidades, e são ótimos em emboscadas. Para serem exibidos em picadeiros, estes animais passam por alguns processos nada confortáveis, por exemplo:

  • Privação de alimento. Como dito anteriormente, os felinos apenas comem e dormem. Se estes estão alimentados, só irão querer dormir. Esses bichos passam o dia inteiro sem comer (quando não vários dias), para que estejam dispostos na hora da apresentação.
  • Em sua maioria, tem as garras arrancadas e os dentes serrilhados, para assim não oferecerem maiores riscos aos domadores e ao público.
  • Estes animais não “aprendem” como se comportar em um picadeiro, e sim, passam a saber o que não devem fazer. Os métodos usados variam muito, e vão de cacetadas com chicotes e barras de ferro a choques elétricos. Os comandos de voz de nada servem… o animal teme mesmo os barulhos de cacetadas de um objeto em outro, ou os comandos gestuais.
  • A maioria dos grandes felinos abandonados por circos são encontrados muito debilitados graças a lesões cerebrais, causadas pelas pancadas levadas em seu “adestramento”.
  • A chance de reintegração de animais de circo a natureza é quase nula.
  • Muitos destes felinos sofrem com a alimentação oferecida pelos circos, que varia de pequenos animais capturados/comprados (como cães, gatos e galinhas) até carne de vários dias (muitas vezes pútrida) de outros animais que tenham falecido até no próprio circo (muitas vezes, imprópria para consumo até pela presença de vermes e bactérias que possam ter levado este animal a morte).

leao

cats1

balmen95

(Clique nas imagens para Ampliar)

Elefantes

São enormes paquidermes, os quais no mundo atual só se encontram 3 espécies: 2 Africanas e 1 Asiática. Os elefantes são os maiores animais terrestres da atualidade, pesando entre 4 a 6 toneladas e medindo em média 4m de altura. As suas características mais distintivas são as presas de marfim e a tromba. São animais herbívoros, alimentando-se de ervas, gramíneas, frutas e folhas de árvores. Dado o seu tamanho, um elefante adulto pode ingerir entre 70 a 150 kg de alimentos por dia. Para serem exibidos em picadeiros, estes animais passam por alguns processos nada confortáveis, por exemplo:

  • São necessários meses de “tortura” para o adestramento deste animal, e tem que ser feito em sua infância. São amarrados sentados numa jaula, onde não podem se mexer, para que seu peso comprima seus órgãos internos lhe causando dor.
  • Levam surras diárias, e ficam sobre seus próprios excrementos, até que “seu espírito seja quebrado” e passem a obedecer.
  • Elefantes se comunicam, e tem papéis “sociais” distintos no grupo em que vivem. A solidão lhes faz mal.
  • São animais extremamente inteligentes, e de memória ímpar. Eles ficam de luto por seus mortos, e são capazes de reconhecer um familiar mesmo tendo sido separado dele ainda filhote.
  • Geralmente apresentam lesões nas patas, por viverem acorrentados e sem se movimentar muito. Elefantes livres andam em média 20km diários.
  • Os instrumentos mais usados em seu adestramento são uma barra de metal com uma ponta reta e uma curva, conhecido como Angus, armas de choque (teaser) e chapas de aço aquecidas a altas temperaturas. O animal consegue lembrar de cada comando dado ao relacionar este a tortura sofrida em outrora.

Elefante+maltrato+animal+circos+con+animales1

ImagenJ1

treinamento-elefantes

 Macacos e Chimpanzés

Estudos apontam que os chimpanzés são parentes próximos dos seres humanos na evolução; eles se separaram do tronco do ancestral comum por volta de 4 a 7 milhões de anos atrás, e ambas as espécies compartilham 98% de DNA. Como o homem, o chimpanzé consegue reconhecer a própria imagem no espelho, (capacidade que poucos animais apresentam). Também são capazes de aprender certos tipos de linguagens, como a dos sinais. Para serem exibidos em picadeiros, estes animais passam por alguns processos nada confortáveis, por exemplo:

  • Apanham para obedecer, e obedecem unicamente por medo.
  • Os macacos de circo apresentam o mesmo comportamento de crianças que sofrem abusos.
  • Roer as unhas e auto mutilação são comportamentos frequente encontrados em macacos cativos.
  • Os dentes são retirados para facilitar o convívio com estes animais.

macaco maltratado

Ursos

Constituem uma família mamíferos plantígrados, da ordem dos carnívoros, geralmente de grande porte, compreendendo os ursos e o panda. Algumas características comuns dos ursos são pelagem espessa, rabo curto, o olfato desenvolvido e as garras não retráteis. Para serem exibidos em picadeiros, estes animais passam por alguns processos nada confortáveis, por exemplo:

  • Os ursos geralmente tem o nariz quebrado em seu treinamento, pelo uso da focinheira.
  • Suas patas dianteiras são queimadas, para forçá-los a ficarem de pé.
  • O treinamento é feito com chapas de aço aquecidas a altas temperaturas, enquanto uma determinada trilha sonora toca, e eles apanham para se movimentar, dando a impressão de estar dançando. O urso se acostuma com a tortura, passando a repetir tudo durante as apresentações.
  • Em sua maioria, tem as garras e dentes arrancados, para evitar acidentes.
  • Ursos cativos apresentam comportamento atípico, como se mover de um lado para o outro das jaulas e se auto mutilarem, batendo com a cabeça contra as grades, ou até se morderem.

06

Mais um vídeo mostrando a realidade de animais em circos. Dessa vez, num dos mais conceituados das Américas, o Hermanos Fuentes Gasca Circus :


Usuário Android, iOS ou Windows Phone clique AQUI.

Tragédias com animais circenses:

O caso brasileiro mais famoso, com certeza é o do Circo Vostok.

le_o_e_menino_00

O que seria um tranqüilo espetáculo circense, transformou-se numa tragédia na noite de ontem, na quinta apresentação na cidade do Circo Vostok, instalado no Shopping Guararapes, bairro de Piedade – Recife PE. O garoto José Miguel dos Santos Fonseca Júnior, de apenas 6 anos, que assistia ao show com a família, foi agarrado por um dos cinco leões criados no circo, no momento em que passava próximo à jaula onde aconteceria um espetáculo com os animais. Ainda viva, a criança foi arrastada e teve parte do corpo devorada pelo leão, que só o abandonou depois de quase meia hora, ao ser alvejado por tiros de revólver e pistola disparados pela Polícia Militar.

Apesar de já estar sem vida, o garoto só foi retirado de dentro da jaula onde estavam os dois leões perto da meia-noite, cinco horas depois do ataque, quando equipes do Instituto de Criminalística e Medicina Legal chegaram ao local. Mesmo transtornado pela dor, o pai de José Miguel, o autônomo José Miguel dos Santos Fonseca, 34 anos, foi obrigado a esperar até então para ver o corpo do filho livre dos leões. Quatro dos cinco animais terminaram mortos a tiros pela polícia. Os dois primeiros foram feridos logo depois do ataque e executados às 21h, a tiros de fuzil 7.62. Os outros dois, que estavam separados apenas por uma divisória, também tiveram que ser sacrificados porque ficaram excitados com o cheiro de sangue da criança.

Por volta das 23h, os leões derrubaram a divisória e um deles ainda chegou a pegar o corpo de José Miguel novamente, mas foi morto pelos PMs, a pedido da família da criança. Demonstrando um total despreparo, nesse momento um dos tiros atingiu de raspão a cabeça do jogador Zezito José da Silva, que passava pela Avenida Nossa Senhora de Copacabana. Os estilhaços dos mesmos tiros também feriram um PM que estava no local, identificado apenas como soldado Santos.

Segundo José Miguel dos Santos Fonseca, algum funcionário abriu a grade que isolava os leões antes do início do espetáculo e no momento em que as pessoas ainda estavam se acomodando na platéia. Ele, juntamente com o filho, a filha, Mirela, de 3 anos, e o sobrinho, Anderson, de 8, voltavam da sessão de fotos oferecida pelo circo com os cavalos do espetáculo, quando o garoto foi atacado. “Nós estávamos passando próximo à jaula onde os leões iriam se apresentar, recém montada, e de repente, o leão apareceu. As pessoas ainda estavam sentando, não era possível que eles já estivessem iniciando o espetáculo”, questionou o pai do garoto.

O animal teria passado uma das patas pelas grades da jaula e agarrado José Miguel, que ainda tentou se desvencilhar. “O pai da criança se agarrou na mesma hora com ela, enquanto eu e outras pessoas agredíamos o leão, com murros e cadeiras, mas ele não soltou o garoto. Nessa hora o animal puxou a criança para dentro da jaula e sumiu com ela, indo para a sua jaula de confinamento, nos fundos do circo”, contou o músico Nino Gama, 32 anos, que estava ao lado de José Miguel Júnior.

Embora quase todos os funcionários do circo tenham desaparecido do local momentos depois do ataque, o apresentador Roberto Gonçalves, 26 anos, e outros dois funcionários, chegaram a ser detidos por agentes da Delegacia de Prazeres. Depois de ouvidos, no entanto, foram liberados mediante pagamento de fiança. Vão responder por homicídio culposo.

277179
Leões do Circo Vostok sendo necropsiados por especialistas da UFRPE
vostok2001
Notícia publicada pela Folha De Pernambuco, um ano após a tragédia

Abaixo, alguns vídeos de animais atacando pessoas em circos:

Usuário Android, iOS ou Windows Phone clique AQUI, AQUI, AQUI e AQUI.

E agora, José? O que você pensa sobre o uso de animais em circos?

A verdade é uma só: Animal não existe pra fazer graça pra ninguém. Os circos só querem lucro desses animais, e NADA que seja feito visando apenas capital tem como dar certo, principalmente quando lida diretamente com vidas, seja de seres racionais ou irracionais. Infelizmente, o circo ensina a criança a rir da dignidade perdida desses animais. Neste caso, a humanização dos bichos reflete claramente a falta de humanidade das pessoas. O triste, é que quando dá merda, quem se fode são os pobres animais, que acabam sendo sacrificados. ¬¬

Depois, eles é que são chamados de animais.

Para quem se interessar, tem um filme ótimo que retrata bem essa vida nos circos, chamado Água Para Elefantes. É um dos longas da atualidade que mais me agradam. Recomendo mesmo.

Assistir Online: http://www.filmesonlinegratis.net/assistir-agua-para-elefantes-dublado-online.html

lion[1]

circo_sem_animal

Espero que tenham curtido a matéria. No mais, sem mais. Sugestões pelo [email protected] ou no Facebook.

Até a próxima. Beijo na bunda! :P

 

 

Written by Peu

Namorado da Miss Sombra, sou apaixonado por voar e por música. Um Pernambucano que gosta de tudo um pouco.
"Sou o coração do folclore nordestino, eu sou Mateus e Bastião do Boi Bumbá. Sou o boneco do Mestre Vitalino, dançando uma ciranda em Itamaracá. Eu sou um verso de Carlos Pena Filho, num frevo de Capiba, ao som da orquestra armorial. Sou Capibaribe num livro de João Cabral.

SOU MAMULENGO DE SÃO BENTO DO UNA, vindo no baque solto de um Maracatu! Eu sou um alto de Ariano Suassuna, no meio da Feira de Caruaru. Sou Frei Caneca do Pastoril do Faceta, levando a flor da lira pra Nova Jerusalém... Sou Luis Gonzaga e eu sou mangue também.

Eu sou mameluco, sou de Casa Forte... Sou de Pernambuco, sou o Leão do Norte.

Sou Macambira de Joaquim Cardoso. Banda de Pífano no meio do Canavial. Na noite dos tambores silenciosos, sou a calunga revelando o Carnaval. Sou a folia que desce lá de Olinda, o homem da meia-noite puxando esse cordão... Sou jangadeiro na festa de Jaboatão

Eu sou mameluco, sou de Casa Forte... Sou de Pernambuco, sou o Leão do Norte."

Comentários