, , ,

Exumação de corpo revela ritual de magia negra em caixão

magia-negra

Materiais usados em ritual de magia negra foram encontrados dentro de caixão onde supostamente teria sido enterrado o corpo de uma criança de 1 ano e 4 meses, em Itabatã (distrito de Mucurí que fica 579 quilômetros de Salvador), no interior da Bahia.

De acordo com o delegado de Mucurí, Charlton Fraga, a polícia determinou a exumação do corpo na última terça-feira, 12, para apurar a suposta morte de um menino, mas, ao invés do corpo, encontrou um frango, três corações de boi, uma foto desgastada, velas vermelhas e pratas, uma camisa e pimenta dentro do caixão branco.

magia-negra-2

A investigação foi iniciada depois da denúncia de que Edileuza Pinto da Costa teria enterrado o corpo do filho no cemitério do distrito sem apresentar a Declaração de Óbito, documento que é obrigatório.

“Ela fez o enterro depois do expediente do coveiro e, quando ele cobrou a documentação, ela não apresentou (a declaração). Quando ele insistiu, ela procurou o cartório para fazer a Certidão de Óbito da criança, mas nem tinha a Certidão de Nascimento”, conta o delegado.

Edileuza conseguiu emitir a Certidão de Nascimento, mas a polícia desconfia que a criança possa não existir. De acordo com o delegado, uma tia de Edileuza disse que nunca viu a sobrinha grávida. A mulher diz, no entanto, que teve o filho em uma fazenda no interior da Bahia e que entregou o bebê para o pai dois dias depois do nascimento.

De acordo com a mulher, pai e filho viviam em Minas Gerais, mas se mudaram para um acampamento do Movimento do Sem Terra em Mucurí com os avós paternos. Edileuza conta que soube que o filho tinha morrido e decidiu fazer o enterro. Ela não soube explicar a causa da morte da criança.

O delegado disse que se for comprovado que o menino não existe, Edileuza vai responder por registro de nascimento inexistente. Mas se ela realmente teve o filho, a polícia vai tentar localizar a criança. “Ainda é cedo para definir qual foi o crime cometido e até se houve algum crime”, afirma.

Combinando com o post, saca só o caso desse vídeo, que foi mais bizarro ainda:

Written by Danibrowser

Fundador do IÉB, o administra desde 2007, e não viu nem 1% da bizarrice do mundo.

Comentários