,

Relatos Bizarros #21

Olá pessoas bizarras! Como os senhores estão? Espero terem gostado do meu post sobre o Salto Quântico. Não foi nada fácil escrevê-lo. Na verdade, foi uma reportagem. rs

Não sabe como enviar o seu relato? Simples, meu chapa!

Há três meios

O primeiro: basta clicar aqui e você será direcionado à nossa página de relatos.

O segundo: envie-nos um e-mail ->[email protected]

O terceiro: basta começar a ler os relatos que, ao final, haverá um formulário idêntico ao da nossa página de relatos para preencher com sua história surpreendente.

A título de esclarecimento: se o seu relato não apareceu aqui, não fique chateado. Nas próximas semanas ele com certeza aparecerá. Eu posto os relatos por ordem de chegada. Basta só aguardar. Semana que vem tem mais, não se preocupem! :)
Seus relatos com certeza aparecerão só basta esperar!

#01
Nome: Elano

Quando eu tinha uns 6 ou 7 anos de idade..aconteceu umas coisas muitos estranhas ,pois eu era pequeno e não entendia nada,bom vamos lá

Eu era uma criança normal ate essa idade,brincava.sorria fazia de tudo,mas teve um certo dia na hora que fui dormir que começou a me incomodar,ouvia passos,sentia presenças de uma pessoa do meu lado,fica muito assustado com isso,mas n falei pra minha mãe,isso veio acontecendo quase toda noite q eu ia dormir,até pensei q fosse minha irma q ela dormia no mesmo quarto q eu,até comentei pensando se ela tava brincando comigo e tal,mas ela respondia q não ouviu nada,nem sentia nada..Uma certa noite eu acordei de madrugada com muita sede,fui na cozinha beber uma água e tal,quando de repente senti como se tivesse alguém atras de mim e perguntei pra minha mãe: Mãe o q a senhora ta fazendo aqui..e ela la do quarto respondeu:ta doido menino eu to aqui no quarto..ai quando virei pra trás eu vi um vulto preto e sai correndo e chorando..o medo foi tanto q eu até mijei nas calças..kkkk..hoje eu dou risada disso,mas no dia não sorrir não!!
Depois disso quando eu ia dormir sentia minhas costas pegando fogo,ficava agoniado e até olhava debaixo da cama pra vê se não tinha alguma coisa…ai minha mãe vendo aquela situação foi uma rezadeira pedir pra ela rezar em mim,a mulher contou que tinha um espirito que queria me levar..ai ela fez uma reza braba lá e depois disso parei de ouvi e escuta essas coisas…
hoje sou uma pessoa normal apesar de ter passado por isso :)

– Hahahaha! Uma reza braba! Hahaha! Isso pode ter sido um espírito obsessor. Os espíritos obsessores vêm somente para causar transtornos. Entretanto, eles são passageiros.

 

#02

Nome:  Lia (=p)

Bom, depois de ler tantos relatos, deu vontade de escrever também. :) Um deles aconteceu com o meu irmão, quando ele tinha uns 5, 6 anos de idade (hoje ele tem 12), e eu tinha uns 8 ou 9. Certa noite ele acordou chorando, teve um “pesadelo” – era o que a gente achava, né. Bom, fomos até o quarto dele, e minha mãe ficou perguntando coisas do tipo “O que aconteceu?” “O que você sonhou?”. Eu estava quase morrendo de sono, então nem prestei muita atenção, mas ele não conseguia nem falar de tanto que chorava. Logo ele se acalmou, e fomos dormir. Para nossa surpresa (ou espanto), na madrugada seguinte ele acordou chorando de novo. E era o mesmo sonho. Como faz um bom tempo e minha memória é uma merda, eu só lembro que ele dizia que era uma garota (não sei a idade), que ficava sentada em cima de uma árvore, olhando para ele. Quando minha mãe perguntava se ela dizia algo para ele, ele chorava mais alto ainda (moleque chato). Bom, foi assim durante uma semana inteira. Até que ele parou de ter esse sonho esquisito.
Outra coisa bem esquisita que aconteceu comigo foi há 3 anos atrás. Na época que eu tinha um hamster (é). Ele ficava na lavanderia, que fica depois da cozinha, com uma porta de vidro que as separa, geralmente fica aberta. Era noite, umas 22h, mais ou menos, e lá por esse horário, depois de ficar jogando no PC, eu ia ver ele. Numa dessas noites eu fui vê-lo e passou um vulto atrás de mim, ele veio andando da cozinha para a lavanderia (Da esquerda para a direita, pra vocês entenderem melhor). Ele tinha o tamanho de uma criança, batia no meu ombro. Quando eu olhava para trás, ele sumia. E tipo, parecia que ele estava brincando comigo sabe? Ele ficava passando infinitamente da esquerda pra direita. E eu sempre boba olhava pra esquerda, de onde ele “surgia”. Só que uma hora eu decidi olhar para a direita, e é óbvio que eu não vi nada. O engraçado é que só acontecia quando eu estava sozinha. Não sozinha em casa, mas quando meus pais e meu irmão estavam distantes do cômodo. Mas como ele não me fez mal, eu não fiquei com TANTO medo (tirando uma vez que eu saí correndo e tal). Isso aconteceu umas 5 vezes, depois ele parou de aparecer.
Falando de vultos, quando eu era mais nova, uma noite eu vi uma criança no vão do canto direito do meu quarto, onde fica a janela. Já eram 6h da manhã, tava meio claro, mas eu só conseguia ver o vulto. Ele parecia parado, apenas me observando. Eu acho que fiquei olhando ele por uns 5 minutos, pensando “Será que eu acendo a luz, ou jogo alguma coisa nele?” (Eu pensei que era meu irmão, ok?). Daí eu pensei, “Melhor não” e voltei a dormir.
Até hoje eu fico me perguntando se não eram o mesmo vulto, sabe? Mesma altura etc. Agradeço por ter a sorte de ver um espírito bonzinho.

Tenho mais algumas histórias, mas acho que esse já ficou enorme e as pessoas não vão querer ler. Então, a “Lia” volta no Relatos Bizarros #07. Ah… E esse condinome seria meu nome, se eu tivesse nascido -n. Minha mãe teve duas ideias: Ou Lia, ou *. E ela escolheu *. E eu odeio esse nome. Por isso só.

– Lia é um nome muito bonito mesmo. Bom, isso pode ter sido apenas a sua visão periférica te pregando peças. Ou talvez não…

 

#03

Nome: Nettinho

Vou contar uma coisa que para alguns (principalmente neurologistas), pareça normal, ou para outros coisas da minha cabeça… Bom, é uma coisa que já vem me ocorrendo há uns 3 anos, mas a última vez foi a mais bizarra de todas! Aconteceu há cerca de 2 meses. Estava eu vendo TV no quarto e apaguei,mas tipo, literalmente apaguei,como se tivesse desmaiado,posso garantir que não fui fechando os olhos devagarinho, lentamente até pegar no sono, eu simplesmente apaguei, e acordei (pelo menos era o que eu achava). Então, olhei para o lado e vi a parede do quarto, tudo bem, tudo normal até aí…Mas olhei para o outro lado e me vi! Não…não era um sonho, eu estava TOTALMENTE lúcido e com o susto acordei…Não acreditei que aquilo não era real e acabei adormecendo. E acabei voltando para o mesmo pesadelo (odeio quando isso acontece : Você tem um pesadelo, dorme acorda e volta a ter outro ou o mesmo), aconteceu o mesmo, eu me vi! Mas não me assustei tanto dessa segunda vez. Não sei porque mas pensei na minha escola, então, subitamente apareci sentado no parapeito do 2º andar do colégio…De noite,tudo escuro, sem ninguém, enquanto eu ouvia vozes de velhas falando em espanhol na minha mente (e eu tenho Gerontofobia : Medo de pessoas idosas). Aí eu acordei, mas não conseguia mexer sequer um músculo! Nem falar, gritar,pedir ajuda,chorar,nada! Tinha um mínimo controle de minha respiração… A esse fenômeno é dado o nome paralisia do sono, e é isso que vem acontecendo comigo nesses últimos 3 anos. Pode até parecer normal, um problema neurológico, mas não é normal os pesadelos que tenho antes disso… Eu estava totalmente lúcido! Mas conseguia me ver e me teletransportar para qualquer lugar, no momento exato…Uma vez pensei na casa do meu pai, e me teletransportei para lá vi ele dormindo, e olhei em seu relógio e eram 3:45, sendo que eu acordei quando eram 3:47…Era como se eu virasse um espírito por um tempo…

– Parabéns, Nettinho! Você conseguiu realizar um desdobramento involuntário. Um caso que eu ouvi foi que, uma pessoa quando era mais nova saía de seu corpo e foi caminhar pela rua onde morava. Então ele entrou em um terreiro onde havia uma senhora que recebia entidades. O que houve foi que, assim que ele pensou em entrar no corpo da senhora, ele já estava dentro. E nisso, deram balas, sorvete e um monte de coisas pra ele, achando que ele era um erê. Hahha! Mas não era, ele apenas estava dormindo e se desdobrou. É o segundo relato desse tipo de desdobramento que eu conheço.

 

#04

Nome: May

Bom, crianças são estupidamente curiosas e comigo não foi diferente. Uma noite, quando eu tinha uns 9 ou 10 anos, eu fui a um aniversário de alguém (nem lembro de quem) e encontrei alguns amiguinhos lá. Alguns deles já eram um pouco mais velhos e vieram com a história da “loira do banheiro” pra cima da pirralhada, mas como eu sempre fui medrosa, ficava só de canto ouvindo o que falavam, até pq naquela época eu nem conhecia essa história, então não sabia do que se tratava e não queria me meter em confusão. Enfim, as crianças resolveram que queriam ver a tal da loira do banheiro e me meteram no meio da história. Eu fui literalmente jogada dentro do banheiro com mais um garoto que era mais velho do que eu e conhecia aquelas paradinhas (descarga, bater na porta e blablabla) que você tem que fazer pra ela aparecer. Resumindo, ele fez tudo o que tinha que fazer e eu já estava com minha mão preparada na maçaneta pra abrir a porta e sair correndo, mas alguém trancou a mesma por fora e eu não consegui sair. Nem eu, nem ele. Ela apareceu dentro do banheiro, quer dizer, alguém apareceu lá, pq a pessoa não era loira como a lenda diz e parecia ser bem novinha, quase uma criança. Ela ficou encarando nós dois, mas ela tinha um olhar de tristeza, como se estivesse pedindo ajuda. Eu não prestei muita atenção nela pq só conseguia gritar e esmurrar a porta pra que alguém abrisse. Acho que eu bati tão forte que alguém do buffet veio abrir a porta e deu uma mega bronca nas crianças por terem me trancado lá dentro.

Eu já li várias versões dessa lenda e não sei qual é a real, também não sei se as coisas que o garoto fez que realmente chamaram ela pra dentro do banheiro ou se foi coincidência. Só sei que eu me caguei de medo hahahaha. Conheço outras pessoas que tiveram experiências parecidas com a “loira do banheiro” e a descrição da pessoa que aparece nunca é a mesma.

 

#05

Nome: Lau

Quando eu tinha onze anos, morava com meu avô e minha irmã. Minha mãe tinha aproveitado que seu pai tinha vindo ficar conosco para se mudar para a casa do namorado.

Fazia cerca de um ano desde que meu avô viera do interior e, numa madrugada de domingo, eu levantei às 3h15 para beber água. Atravessei o corredor e a sala até a cozinha, peguei água, bebi e fui voltando para o quarto. Na sala, eu vi alguém parado contra a janela, no canto; era uma figura magra e alta, como o meu avô e, sabendo que ele tinha hábitos noturnos (nunca conheci alguém que dormisse tão pouco!), achei que fosse ele. No que fui andando para o corredor, notei que o vulto não tinha nenhuma feição, era só uma massa imóvel ali. Senti um pavor imenso e voltei para o quarto, e contei pra minha irmã o que tinha visto na manhã seguinte.

No sábado seguinte, tive uma festinha de aniversário de uma colega e, quando voltei de carona para casa com a mãe de uma amiga, encontrei meu avô na sala, vendo TV, e dei boa-noite a ele normalmente. Dormi no quarto da minha mãe, e acordei na manhã seguinte às 8h15. Levantei para ir ao banheiro, mas havia alguém lá. A porta estava entreaberta, a luz acesa, então imaginei que meu avô estivesse ali e dei bom dia. Fui pra cozinha, voltei, o cumprimentei de novo e não obtive resposta. Empurrei a porta, descobrindo que havia algo a emperrando, e vi meu avô caído no chão. Minha mãe estava no interior e não tínhamos como contatá-la. Quem chamou a ambulância foram tios do meu padrasto, para quem liguei.

Os médicos disseram que meu avô tinha tido um derrame por volta das 3h15 da manhã daquele dia, e morreu duas semanas depois. Foi a única vez em que vi algo que me marcou de verdade, mas o suficiente para me fazer acreditar em paranormalidade.

– Geralmente é dar cor preta. Se puder me dizer qual foi a cor, ficaria agradecido pois eu costumo analisar para saber se alguns padrões coincidem. 

 

#06

Nome: Tiago

Boas :D
Esta história é me contada pelos meus pais, pelos vistos quando eu tinha cerca de um ano de idade vivia-mos numa casa no meio de um monte(típico daquela aldeia onde estava-mos) pelo que dizem o dono das terras daquela casa tinha tentado construir lá uma casa para viver mas não o deixaram anos depois morreu, quem ficou com as suas terras não era da sua família e (com os seus conhecimentos) construiu lá uma casa para ser aluguer, mas, o espirito do velho ficou lá “preso” então sempre que alguém vai para lá é atormentado, os meus pais viram que a renda era barata (não sabiam da história só depois lhes contaram) e ficaram com a casa durante as primeiras semanas nada aconteceu mas depois todas as sextas feiras se ouviam correntes a arrastar pelo sótão da casa o meu pai (homem corajoso) ia sempre lá ver o que era e nada, lá embaixo a minha mãe dizia que continuava a ouvir as correntes e passos (não eram os do meu pai), meu pai decidiu atirar sal para o sótão (protecção contra espíritos), nada se passou durante meses, meu pai tinha pássaros no sótão (visto que nada acontecera durante tanto tempo), até que uma noite (disto já me lembro pois tinha 6 anos) voltamos a ouvir as correntes mas mais fortes o meu pai correu para o sótão e nada eu miúdo curioso e corajoso como o meu pai fui para lá e vi a coisa mais bizarra que alguma vez verei os pássaros do meu pai estavam a ser atirados conta a parede mas ninguém estava lá e por segundos tudo parou, nada acontecia só os pássaros estavam mortos no chão até que senti uma mão na minha cabeça a apertar eu tentei fugir e olhar para trás mas não estava lá nada o meu pai disse para eu voltar para baixo e trazer-lhe o sal, assim o fiz e tudo parou, na noite seguinte não se ouvia correntes mas eu sabia que não tinha parado senti ao meu lado a presença de alguém olhei e estava lá um velho com um fato preto e cabelos grisalhos consegui ver pois tinha sempre uma luz de presença no meu quarto, não me lembro de mais nada mas a minha mãe diz que a cama na manhã seguinte estava sem os lençóis eu tinha um corte no lábio e a travesseira estava cheia de sangue, fui levado para a “bruxa” da terra e ela disse que o velho estava dentro de mim e que o seu espirito era poderoso demais para ser tirado de mim ela disse que a minha alma era mais forte do que ele mas que ele poderia aparecer-me, também me deu um colar que ainda tenho é um fio de couro ela disse que me iria proteger de ser possuído mas que ele iria me aparecer e para não ter medo do velho.
Hoje foi a aparição mais recente, estava a jogar no computador e vi pelo reflexo alguém a trás de mim era ele, felizmente não me pode tocar mas mesmo assim estou á procura de alguém que me “cure”.
PS:Já não vivemos mais na casa.
Cumprimentos de Portugal :D

– Assim que eu comecei a ler já desconfiei que era algum amigo português! Bom, já que o espírito nada pode fazer, tente conversar com ele para saber o que ele precisa para sair dessa dimensão e ir para onde ele precisa ir. 

 

#07

Nome:  Suellen

Olá Bizarreiros! Vou contar alguns relatos que mais me marcaram.
Então, moro no Rio de Janeiro, num bairro simples, mas com muita história.
Os mais antigos dos moradores dizem que a muitos anos atrás aqui era cercado de Cemitério e Hospitais (hoje em dia abandonados, e logo foram ocupados por moradores e sendo aproveitado as estruturas do mesmo).
Desde sempre morei por aqui e quando eu tinha por volta dos 14, 15 anos comecei a presenciar coisas inexplicáveis. Costumava ficar na Internet até tarde pesquisando sobre cultos satânicos e magia negra. O computador ficava na sala, tinha um corredor que havia o quarto da minha mãe e no final do corredor tinha uma parede que dividia dando passagem pra cozinha e pra outros quartos.
Eu ficava até tarde no computador, todos dormindo e eu sempre era a ultima e raramente eu via uma sombra branca e muito baixinha, do tamanho de uma criança no fim do corredor (na parede que dava passagem). Eu não me assustava tanto porque achava que era coisa da minha cabeça. Quando começou a ficar freqüente e a sombra parecia cada vez mais visível, comecei a sentir medo e comecei a passar pelo corredor de olhos fechados pra que eu não visse a entidade ou seja lá o que era.
Certa noite por volta de 21hrs, meus pais estavam no quarto assistindo tv (no quarto deles não tem porta, apenas uma cortina) e eu na sala. Senti sede e ia à cozinha, quando eu dou de cara no corredor com aquela coisa estática e muito visível aparentava ser uma criança, mas eu não conseguia ver seu rosto, levei um susto me joguei no quarto dos meus pais e eles ficaram me questionando porque eu tinha feito aquilo, mas eu não quis falar o que tinha visto. Não imaginava que apareceria naquele horário e com meus pais acordados.

Eu deveria ter uns 16 anos quando outro fato aconteceu, eu acredito que tenha sido a mesma entidade anterior.
Nesse dia estava só eu e minha mãe em casa, de vez em quando minhas sobrinhas vinham pra perturbar.
Minha mãe é muito econômica, deixava todas luzes de casa apagadas.
Era por volta de 19hrs, eu estava assistindo tv no quarto dos meus pais (lembrando que o quarto deles fica no corredor e não tem porta, apenas uma cortina). E minha mãe na sala assistindo novela.
Estava eu entretida com o programa e de repente comecei a ouvir passos no corredor, como se estivessem correndo pra lá e pra cá. Não olhei achando que minhas sobrinhas tinham chegado. E como se estivesse indo em direção a cozinha, aquela coisa puxou a cortina do quarto, voltou e puxou de novo bruscamente. Logo imaginei “o que aquelas pestinhas estão fazendo correndo no escuro?” Levantei, acendi a luz e fui até a minha mãe e perguntei se as garotas tinham chegado, e ela disse: – Até então, não! Mas vem cá, o que tanto você mexia naquela cortina?
Fiquei branca de medo, mas optei novamente não comentar com minha mãe, meus pais são religiosos e muito chatos com essas coisas, iam querer me exorcizar rsrs.

Pois bem, o terceiro fato que mais me marcou.
Eu tinha 17 anos, trabalhava, fazia curso, estudava e tentava arrumar um tempo pra malhar. Uma vida muito corrida chegava morta em casa. Nem queria saber de computador, só dormir. Tinha muitos sonhos lúcidos, acho que devido ao cansaço.
Pois então, era um dia chuvoso e decidi tirar uma ‘folga’ não fui ao curso, nem escola e academia. Cheguei em casa cedo e meus pais ainda estavam no trabalho, minha mãe estava a chegar.
Procurei o que fazer, vi que encima da estante tinha um filme que todos de casa tinham visto, menos eu (A paixão de cristo). Coloquei o filme no quarto de meus pais e assisti com ar de sarcasmo, e nos momentos que Jesus fora torturado, eu dava gargalhadas como se fosse uma comédia pra mim. De repente eu apaguei, enquanto o filme rodava, eu tentei abrir os olhos e me deparei com uma mulher do meu lado, ela era horrível e não parava de me encarar. Eu não podia gritar, nem me mexer, uma sensação angustiante.
Comecei a ouvir gritos pedindo socorro, e como se aquela coisa estivesse sugando minha alma, senti como se estivesse morrendo e pude ver meu corpo agonizando na cama, não sei como, não sei explicar essa sensação. Era tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo, eu não conseguia pensar. Aquela coisa do meu lado, todos aqueles gritos, tava me faltando ar, eu vendo meu corpo como se minha alma estivesse sendo sugada, pensei que fosse morrer.
Quando eu era mais nova eu ia a igreja com a minha mãe, forçada, mas eu ia. Nunca fui de religião, mas naquele momento eu só poderia pensar nas orações que minha mãe havia me ensinado quando eu era uma criança. Mas não conseguia terminar nenhuma oração.
Pedi perdão. Nesse momento eu apaguei e acordei com um suspiro, estava no colo da minha mãe. Ela chorava e orava. Depois que recuperei meu ar, abracei ela o mais forte que podia, e comecei a chorar descontroladamente.
Depois que me acalmei, ela perguntou o que tinha acontecido. Eu não sabia explicar.
Ela disse que chegou e me viu na cama com o corpo duro e soltando uns sussurros e quando ela chegou perto viu meus olhos virando. Ela não sabia do que se tratava, tentou me acordar, mas eu não dava sinal algum, continuava com o corpo duro, gemendo e virando os olhos. Então ela me colocou no seu colo e orou.
Não sei realmente se era um sonho lúcido, já tive experiências anteriores com esse tipo de sonho, mas nada comparado. Foi muito assustador e hoje em dia morro de medo de dormir sozinha.
E com tudo que passei, continuo sem religião, mas acredito no sobrenatural.
Os relatos estão grandes, mas espero que tenham curtido. Porque eu não curti nada, nada passar por isso.

– Eu entendo o seu último relato. Algumas vezes eu não sabia se estava acordado ou dormindo, eu só sei que eu conseguia voar. E como voar é bom! Não é deboche, é dúvida mesmo. Por horas, a realidade se funde com a imaginação. Ou seria essa imaginação, uma verdade? Isso requer muita reflexão. Em suma, é muita “loucura”, não? Loucura no bom sentido.

 

#08

Nome: Marianna

Bom, desde que eu era pequena eu sempre via vultos e etc, so que dois que aconteceram eu fiquei meio assustada, bom o primeiro foi quando eu tinha 14 anos, eu tenho uma irmã pequena e ela sempre vive pulando e correndo pela casa, certo dia eu estava sentada na mesa e quando eu vejo uma criança do mesmo tamanho que ela, com o mesmo cabelo correndo e entrando muito rápido no meu quarto, quando eu falo pra minha mãe que ela estava correndo de novo pela casa, ai que está, minha irmã estava no colégio, foi quando minha mãe me disse que não era ela :s, eu fiquei morrendo de medo, uma criança que apareceu do nada, correndo para meu quarto, eu fiquei toda arrepiada kk, a segunda vez foi quando eu estava em porto de galinhas em uma comemoração do aniversário da minha bisavó, quando ela diz que está vendo o falecido irmão dela, eu como todo mundo nos assustamos, e ela virou pra mim e disse ”você não está vendo ele ali embaixo daquele coqueiro?” eu achava que era brincadeira, e fui olhar só por curiosidade, já que ela já era velhinha, mas quando eu olhei, ele realmente estava lá, eu falei pra minha mãe e ela nao acreditou, mais eu realmente estava vendo, ele todo de branco, com uma luz saindo, foi muito rápido, quando olhei novamente não estava mais lá, minha bisavó sorriu pra mim e disse ”eu sabia que ele vinha para meu aniversário” no começo eu fiquei toda tremula, mais depois de um tempo passou. até hoje eu sempre to vendo alguem aqui na minha casa, ou quando estou dormindo tem algo no quarto :s

– Não se preocupe, Marianna. Espíritos de luz, principalmente quando estão distantes, é porque não querem incomodar. :)

 

#09

Nome:  GoddesHirena

Eu sempre fui uma criança de boa, nunca tive problemas de ver coisas, nem sabia sobre nada, a unica coisa estranha que eu tinha visto até então foi quando eu estava na frente da loja de 1,99 do meu pai e a minha vizinha estava varrendo o chão, estava ventando muito e o pó subia e junto do pó eu via uma especie de ”vaca” (ela tinha uma cor neon como a blusa do palmeiras), elas brotavam do chão e iam em direção ao céu, e realmente voaram ao céu. Eu como era pequena não conseguia ver muito bem, mas eram tantas ”vacas” subindo que entrei dentro de casa porque fiquei com medo, na verdade eu nem sabia como vacas eram. Quando contei pra minha mãe ela ficou com uma cara, tipo, WTF PIRRALHA?
Na época isso passou da minha cabeça, afinal, eu nem sabia o que diabos era aquilo. Mas quando eu descobri coisas sobre sobrenatural e ufologia, passei a rever meu conceito de que aquilo foi obra da minha fértil imaginação.
(Omg, seria aquilo vacas ETs que sairam do centro da terra para voltar para casa? :o)

– Quando eu era mais novo, saía muito com os meus pais. Em muitas vezes sempre via um pombo gigante com os olhos vermelhos vindo na minha direção. Era no elevado do Joá, que hoje está decrepto. :(

 

#10

Nome: Gabyh

Olá pessoas bizarrentas…
Bom vamos ao que interessa, desde criança tenho a sensações de que tem alguém me observando, sempre vejo vultos e acredito muito em espíritos etc.
Em 2008 mudei com a minha família para uma cidade pequena onde ainda moro e foi aqui que aparentemente as coisas bizarras começaram a acontecer com mais frequência. Chegamos a cidade e fomos morar em uma vila no interior onde haviam varias casas antigas onde ja havia passado muita gente por lá, chegamos, nos instalamos com a mudança, ficamos na casa durante apenas tres dias, logo nos mudamos para a casa ao lado e nos primeiros dias nada aconteceu até que um dia fomos viajar, ver meus avós e pedimos para que os vizinhos olhassem a casa pra gente, ok fomos e voltamos estava tudo intacto apenas um pó monstro na casa algo seila inesplicavel, então os vizinhos comentaram com meu pai que na noite em que nós nao estávamos em casa eles ouviram um forte barulho vindo da nossa casa como se algo tivesse sido jogado ao chao de uma maneira muito brusca, eles foram até lá olharam pelas janelas bateram achando que nós tínhamos voltado e nada, nem sinal de vida, mas meu pai nem comento comigo pois sabe que eu apesar de ser curiosa, sou medrosa. Passou algum tempo até que eu comecei a a perceber que enquanto eu lavava a louça sempre havial ”alguem” me observando no canto da porta que dava acesso a cozinha, mas eu nem dava muita bola pra aquilo olhava pra tras e nao tinha nada, até que um dia eu bem sussegada em casa do nada ouço um ”OH GABYH” com uma voz idêntica a da minha mãe, ela tava trabalhando mas como o serviço dela era bem perto de casa ela sempre ia ver se eu e meu irmao estavamos bem então eu sai na janela pra olhar olhei em todas as janelas abri a porta e nada da minha mãe, fiquei assustada mas seila pensei ser coisa da minha cabeça, até que começou a se repetir quase todo dia até que eu contei pra ela, entao ela se assustou e disse ”Não vá mais olhar, se eu vir aqui eu vou bater na porta, nao vou te chamar”, então sempre que ouvia nunca olhava até que meu irmao que tinha uns 7 anos na época começou a ouvir e ficava assustado, ai ele perguntava MANA OUVIU A MAE CHAMAR? ai eu NAO CARA VOCÊ TA FICANDO LOUCO e começava a rir até que parou. Ok caros amigos bizarros vocês devem estar pensando ”Oh que merda de historinha”, mas coleguinhas as paradas eram assustadoras sim, mas ora pois, a parte bizarra mesmo (na minha opinião) vem agora um belo dia chego da escola e entro em casa e na hora em que eu entro eu ouço GAAABBBYYYHHH (sim um gabyh bem longo) pra mim era a minha mãe berrando do banheiro então chego a porta do banheiro a porta a berta, luz acesa e oque tinha lá? NADA ok gelei apaguei a luz, fechei a aporta e não fui mais no banheiro até meus pais chegarem. Dias depois eu dormindo com a porta aberta, ouço passos (o assoalho era de madeira) passos bem altos até estalos davam então gelei esperei pra ver quem viria, então no momento em que a pessoa, coisa, espirito eu seila oque ia chegar a porta do meu quarto os passos simplesmente pararam, a partir desse dia nao dormi mais, tinha pesadelos coisas que eu não lembro só sei que acordava assustada, tinha medo de dormir sozinha, então minha mãe me mandou ler a bíblia antes de dormir (meus pais são religiosos, mas eu nao do muita bola pra isso) obedeci a velhinha e comecei a ler um trexo antes de dormir e olha o milagre eu dormia como um anjo e as coisas meio que melhoram pra mim mas pros meus pais as coisas ficaram sinistras, mas isso eu conto outro dia. Até hoje não sei oque ou quem era que me ”atormentava”, mas sei que meu forte não é ver e sim ouvir e eles gostam de me deixar ouvir, e eu gosto, mas confesso que me cago de medo (:
Ficou meio longo, nao consegui expor a coisa toda dos fatos, mas vos digo caros colegas A POHA ERA LOCA!!!!!!

 

Agora, caso queiram, preencham o formulário com o seu relato bizarro.

Written by DraftL

O que está em cima é igual ao que está embaixo e, o que está embaixo, é igual ao que está em cima, para realizar os milagres de uma coisa única.

Comentários