,

Mistérios do mundo #02

No meu último post sobre o assunto, muitas pessoas pediram para a minha pessoa ‘falar’ de locais brasileiros. Bom, essa matéria será destinado a três deles.

1- Edifício Joelma.

Localização:Praça da Bandeira, Rua Santo Antônio, 184 e Av. Nove de Julho, 225.

 

História: Seu nome é Edifício Praça da Bandeira. Três anos após sua inauguração, ocorreu no prédio um incêndio que provocou a morte de 188 pessoas. Especula-se que havia no local, antes da construção do edifício, um pelourinho e que os fantasmas já eram avistados, rondando o lugar.

O Joelma também ficou conhecido com o crime do poço, ocorrido na década de 1940. Algumas mulheres haviam desaparecido e, quando a polícia investigou o local, encontrou uma casa com cadáveres dentro de um poço. Quem cometeu o brutal assassinato, era da própria família. A casa permaneceu fechada durante anos, até ser demolida para que fosse construído o Edifício Joelma.

2- Capela da Santa Cruz dos Enforcados.

Localização: Praça da Liberdade

 

História: Em 1821, o cabo Francisco José das Chagas pediu igualdade de salários e melhor tratamento aos soldados brasileiros. Foi punido com morte por enforcamento. Porém, no dia da execução, a corda arrebentou duas vezes, e quem assistia entendeu que seria um sinal dos céus para inocentá-lo, mas ele acabou morrendo. Isso causou a comoção da população e, em sua intenção, foi erguida uma cruz.

Sessenta e seis anos depois, foi construída uma capela no local. Desde então, há relatos de que Chaguinha (nome do cabo) é visto. A capela também é chamada de “Igreja das Almas”.

3- Castelinho da Rua Apa.

Localização: Rua Apa, 236, esquina com a Avenida São João.

Construído em: 1912

História: Foi nesta residência que uma família inteira foi morta na década de 1930. Até hoje, o caso não foi esclarecido (a informação é de que um irmão atirou no outro e a mãe ficou na linha do fogo cruzado e faleceu).

Há relatos de pessoas que passam em frente à casa e ouvem o apelo dos filhos e da proprietária para não serem mortos.

Inforamações que os leitores queridos me mandaram sobre o castelinho:

“Em relação a igreja dos Enforcados, creio que é importante citar que ela tem este nome não por causa do soldado executado e sim porque ali era o lugar onde todos os criminosos e escravos foragidos eram enforcados. Há um mito de que o bairro era (ou é ainda) assombrado por fantasmas destas execuções. Os mortos eram por ali mesmo enterrados. Sei que pegava um trecho da atual Rua da Glória. Diz a história que o bairro era desvalorizado justamente por conta destas lendas. Foram os japoneses que ali se estabeleceram ou por conta de que não tinham problemas culturais e místicos em conviver com isto ou por conta de omissão mesmo por parte dos antigos proprietários ou poder público.
Creio que até hoje o assunto é um tabu para muitos. Há um documentário que foi mostrado na TV Cultura sobre os bairros de São Paulo. Há um deles falando sobre o que aqui descrevi. Se não me engano, há uma cópia deste vídeo na midiateca da Faculdade de Educação da USP.”

E esse é o vídeo que o vídeo que o Dener mandou para a gente:

*Vai lá gente, quero ver alguém indo em cada um dos três, e comprovando as histórias.  Na boa que só não vou, porque moro em Curitiba*

Written by Isis Müller

Historiadora em progresso, leonina, amante da leitura, da fotografia e um tanto quanto apaixonada por tudo aquilo que não posso ver, ou tocar. Prazer.

Comentários