,

Karen Greenlee e sua compulsão por necrofilia

“Acho que o odor da morte muito erótico. Há odores da morte e há odores de morte. Agora você começa o seu corpo que foi flutuando na baía, durante duas, semanas, ou uma vítima de queimadura, que não me atraem muito, mas um cadáver embalsamado de fresco é outra coisa. Há também essa atração por sangue. Quando você está em cima de um corpo tende a limpar o sangue para fora de sua boca, enquanto você está fazendo amor apaixonado.”

Karen Greenlee não matou os homens para obter os cadáveres, mas ela certamente teve uma atração a eles uma vez que eles estavam mortos. Em 1979 na Califórnia, Greenlee foi para entregar o corpo de um homem de 33 anos de idade, para um cemitério para o funeral, mas em vez disso ela foi embora no carro fúnebre, seqüestrando o cadáver para manter para si mesma. Ela foi encontrada e acusada de roubar um carro fúnebre e interferindo com um funeral, e, aparentemente, não era a primeira vez que ela sentia uma atração sexual pelos mortos.

Para este caixão, ela tinha colocado uma longa carta detalhada sobre seus episódios eróticos, os quais ela havia estimado em mais de 20 cadáveres do sexo masculino. Chamando-se um “rato morgue”, ela não entendia por que ela se sentia tão obrigado a tocar os corpos de mortos, mas era um vício, ela não conseguia quebrar.

Assim que a carta foi encontrada, Greenlee foi expulsa da profissão. Em uma entrevista mais tarde, com Jim Morton, ela lhe disse que o momento erótico envolvia toda uma atmosfera: a aura de morte, o cheiro, a funerária, o luto, e todas as “armadilhas”. Não foi apenas sobre a estimulação sexual, tratava-se de uma mentalidade completa. Ela gostava do cheiro do cadáver embalsamado recentemente de um homem na casa dos vinte, e até mesmo o sangue que poderia sair de sua boca enquanto ela ficava em cima dele. Ela admitiu ter transado em alguns necrotérios e arrombado túmulos, a fim de exercitar seu hábito, e uma vez ela quase foi pega com as “mercadorias”. Com vergonha no início, ela depois aceitou seus desejos, até ser pega.

Já imaginaram?

– E ai Karen, como tu gosta de homem?

–GELADO!

-E aí Karem, como tu prefere os homens?

–MORTOS.

ha-ha

Written by Isis Müller

Historiadora em progresso, leonina, amante da leitura, da fotografia e um tanto quanto apaixonada por tudo aquilo que não posso ver, ou tocar. Prazer.

Comentários