,

Relatos Bizarros #04 (Especial de Feriadão II)


Warning: in_array() expects parameter 2 to be array, null given in /home/issoebizarro/public_html/blog/wp-content/plugins/quick-adsense-reloaded/includes/post_types.php on line 46

Warning: in_array() expects parameter 2 to be array, null given in /home/issoebizarro/public_html/blog/wp-content/plugins/quick-adsense-reloaded/includes/post_types.php on line 46

Olá pessoas bizarras! Semana passada não teve esta seção querida pois me encontrava em meio aos exames na faculdade. Entretanto, nesta semana também haverão 25 relatos pois, hoje (terça-feira) é feriado aqui no Rio devido à conferência Rio+20 e quero deixá-los felizes também com esta data tão importante na vida de um carioca. rs

Não sabe como enviar o seu relato? Simples, meu chapa!

Ha três meios

O primeiro: basta clicar aqui e você será direcionado à nossa página de relatos.

O segundo: envie-nos um e-mail -> [email protected] <- esta é a melhor forma para compartilhar conosco alguma foto/vídeo do evento.

O terceiro: basta começar a ler os relatos que, ao final, haverá um formulário idêntico ao da nossa página de relatos para preencher com sua história surpreendente.

A título de esclarecimento: se o seu relato não apareceu aqui, não fique chateado. Nas próximas semanas ele com certeza aparecerá. Eu posto os relatos por ordem de chegada. Basta só aguardar. Semana que vem tem mais, não se preocupem! :)
Seus relatos com certeza aparecerão só basta esperar!

 

Comecemos :)

 

#01

Nome: Eduardo S. B.

Esse é um dos casos que ocorreram na minha infância que eu lembro perfeitamente como se fosse ontem.  Morávamos em um apartamento num residencial, eu, minha irmã e minha mãe. Fiz essa imagem no paint para melhor ilustrar o meu relato: eu era pequeno(não lembro, talvez 6, 7 anos) dormíamos eu e minha irmã , quarto 1, minha mãe no quarto 2. Uma noite como qualquer outra acordei com um barulho estranho e percebi que minha irmã também estava acordada. Ela percebeu que o barulho vinha da sala, um tipo de pancada na parede como se alguém estivesse batendo com as cadeiras na parede. Mesmo com um pouco de receio minha irmã foi verificar o ocorrido e não encontrou nada. Essa situação se repetiu diversas vezes durante a noite com as pancadas se intensificando cada vez mais, logo decidimos dormir no mesmo quarto de nossa mãe. Nesse lugar onde morei sempre aconteceu diversas situações estanhas e sempre senti como se estivesse sendo observado ou alguém no mesmo recinto.

#02

Nome: Erica
1º Relato
Desde os meu 12 anos que pesquiso magia, bruxaria, e outras coisas ocultas. Com 20 anos eu namorava um rapaz e com 3 meses de namoro sem termina comigo ele começou a namorar uma evangélica,passava por mim fingindo que não me conhecia,fiquei quieta não pedi satisfação nem corri atrás dele e com 2 meses de raiva foi acumulada, resolvi fazer uma bruxaria pra ELE vir ate mim.

Eu sempre fiz magia dessa vez acho que fiz do jeito certo.

A noite comecei o ritual de preparação para a magia: limpei o quarto, tomei banho,meditei com musica e incenso, fiquei nua, desenhei um pentagrama enorme, sentei no centro do pentagrama ,coloquei meu colar de pentagrama consagrado, fiz a magia com UM PIRES,VELA,E PAPEL DE COR PRATA com o nome dele e deixei no centro do pentagrama pra queimar ate o final da vela.

Me vesti tomei água e sai do quarto fechei a porta e sentei na frente de porta pra ninguém entra.depois de umas meia hora escutei o pires caindo levantei rápido abri a portas liguei a luz o pires tava de cabeça pra baixo no pentagrama no chão, e pequei e vi que o pires tava limpo sem vela nem o papel com o nome nem respigo da vela,revirei todo o quarto e não o achei o resto da magia. Limpei tudo e fui dormir.

Dois dias depois ele veio me procurar eu falei tudo que tava engasgada e deixei ele falando sozinha no portão. Isso já fazem 7 anos ate hoje quando me encontra ele tenta falar comigo.

Estávamos namorando, um dia ele foi à minha casa no outro dia já tava com outra passando em frente a minha casa sem dar indicio nenhum que queria termina.

Todo ritual de magia tem preparação e finalização.

Ate hoje eu não sei aonde foi parar os restos eu sentei na porta do quarto ninguém entro e janela estava fechada.

2º Relato
A minha família e cheia de relatos estranhos quando eu tinha 7 anos e o meu irmão 11 meu pai(era alcoólatra) chegou tarde da noite bêbado e queria bater em nos , minha mãe pegou a gente e corremos pro quintal estava muito frio, ficamos esperando ele dormir pra gente entra .

Como ele não dormia e foi pro banheiro se aliviar, mamãe entro rápido e pegou dois colchões colocamos do lado da casa no nosso quintal e no quintal as 3 da manha para dormimos.

Eu e minha mãe não dormimos estávamos no mesmo colchão e ficamos conversando, meu irmão dormiu. Passados uns 20 minutos minha levantou rápido aos gritos mandando a gente entra eu perguntei por quê? Ela disse que um vulto encosto nela e disse no ouvido dela que era o diabo e iria mata-la, no meio dos gritos meu pai saiu na porta da cozinha gritando que tinha visto um vulto no banheiro que era pra gente entra ele ficou ate sóbrio e começou a ler a bíblia ate de manha com todo mundo na sala.

– Erica, nós que agradecemos pelo seu empenho em nos enviar seu relato. Sempre que se lembrar de algum relato que julga ser bizarro, nos envie :)

#03

Nome: Jéssica Gouvêa

Bom, sempre fui muito sensível em relação à esse tipo de coisas sobrenaturais. Há 5 anos atrás eu me mudei pra monte alto – sp com a minha mãe, e lá fomos morar na casa do atual marido dela. E nessa casa, há 2 salas. Em uma delas fica a porta do meu antigo quarto e o quarto da minha mãe, e na outra sala a porta do quarto da filha do meu padrasto. E as duas salas uma porta separando-as. Então tudo o que eu iria fazer, eu passava em frente essa porta. E não sei por qual motivo eu sempre tive medo da outra sala, sempre senti um calafrio qnd eu entrava/passava por ela, então sempre a evitei. SEmpre mantive a porta fechada para que não fizesse nem contato com os olhos pq geralmente eu via vultos brancos. Até q um dia meu padrasto perguntou o pq eu fechava a porta, e eu expliquei. Foi ai que descobri que a casa tinha mais de 50 anos, e na sala q eu temia, foi velado o corpo do pai da vizinha. Pra tirar a historia a limpo eu fui perguntar pra vizinha se era verdade e ela confirmou. E isso tinha pouco mais de um mes q eu tava morando lá. Depois as coisas estranhas começaram a acontecer. Era por volta das 3 hrs da manhã qnd eu resolvi ir beber agua, e adivinha só, eu tinha que passar em frente a bendita porta da sala pra ir pra cozinha, e o que me dava raiva eh q por mais que eu fechasse a porta, sempre tinha um fdp q ia la e abria e n fechava d novo. Então fui eu beber agua, e bem no momento que eu tava entre as duas salas de frente pra porta, a blusa do meu pijama subiu até na metade das minhas costas, e não era um pijama coladérrimo pra poder fazer um movimento com o corpo e a blusa subir, era largo, e alguma coisa o levantou. Fora qnd eu tava entre as duas salas tbm a luz da outra sala acendeu e apagou rapidamente, barulhos, qnd eu me deitava pra dormir, as vzs eu sentia minha cama afundar como se alguem tivesse sentando junto comigo, vi a filha do meu padrasto passar em frente a porta do meu quarto, claramente, vi todos os detalhes e dps de uns 5 segundos ela sai de outro comodo da casa totalmente diferente de como a vi… sempre fiquei com o cu na mao e nao passava nem um fio de ar. Graças a Deus me mudei e ñ presencio coisas do tipo mais.

– É como eu creio que seja: dependendo do apego da pessoa que desencarna o espírito pode ficar vagando por mais tempo na terra. Alguma explicação além da minha?

#04

Nome: Ceres

Bom pessoal do IEB,
Eu axo que o que aconteceu comigo foi alguma coisa tipo aquele sonho lucido, entao vamos aos fatos…
Eu estava na casa da minha prima, essa casa fica em uma chacara onde ja ouvi varias historias bizarras, na casa moram soh ela e o vo dela. A noite, por volta de umas 5 da manha comecei a ouvir uns passinhos de leve (detalhe que a casa eh beeem velha), vindos da sala que ficava ao lado do quarto dela, ai ta, pensei que fossem os gatos. Os passos aumentaram, e pensei que fossem os cachorros que dormem lah dentro… Enfim o barulho ficou muito alto e o vo tem um cachorro bem grande, mas ele nao entra em casa, foi ai que fiquei com mais medo inda, e começou a correr de um lado para o outro e eu estava lah imovel, nao conseguia me mexer, a unica coisa que conseguia fazer era rezar o pai nosso, mas toda vez que eu chegava na parte LIVRAI-NOS DE TODO MAL, eu nao conseguia dizer e comecava a rezar tudo novamente… Aquela coisa e corria pra la e pra ca falava alguma coisa pra mim, mas eu nao sei o que era, e era uma voz muito macabra. Eu escutei que o vo tinha levantado pra cobrir o negao (o cachorro bem grande que fica lah fora) e depois que ele voltou a deitar acordei gritando LIVRAI-NOS DO MAL AMEM!!! e me sentei, mas muito assustada. Nao consegui dormir ateh que o dia amanheceu. quando contei pra minha prima ela disse que eu estava sonhando, mas eu disse a ela que saberia se estava ou nao se o vo tivesse realmente levantado. Quando perguntei a ele, ele me disse que sim, que tinha levantado e me escutou gritar…Mas nao deu bola porque pensou que eu tava sonhando mesmo…Juro que fiquei muito apavorada, e sempre que vou lah, principalmente quando vou passar a noite, evito de falar sobre essas coisas… Bom eh isso, obrigada pela atencao…

– Lembrei de um fato que aconteceu comigo, o pior é que foi doloroso: sonhei que tava brigando e quando eu acordo meu punho estava ensanguentado de tanto bater na parede. Será que o caso da Ceres foi um sonho lúcido… ou não?

#05

Nome: Bruno

Olá, meu nome é Bruno, a maior parte da minha família são caminhoneiros, e com isso, histórias não faltam.
Tenho um tio que mora no Nordeste, e veio uma vez para casa, resolvi ir pro Nordeste junto com ele, pra saber como é as pessoas, as comidas e as festividades de lá.
Como meu tio é caminhoneiro, fui para o Nordeste de caminhão, e nessa viagem histórias não me faltam hahahaha :)
Estamos conversando sobre as histórias de fantasmas, quando meu tio me contou uma que me arrepiou inteiro!
Estava ele e um amigo dele viajando pro Amazonas, pra carregar madeira, nessa viagem como é no meio do mato, ele contou que certa vez estava fazendo a viagem de madrugada, conversando tranquilamente com o amigo dele, quando uma pequena família (mãe, pai, e dois irmãos aparentemente) apareceram do nada, todos de branco, pedindo carona para eles, meu tio passou reto, e não deu muita importância, mais o amigo dele, insistiu e disse para ele parar o caminhão, e dar uma ajuda para eles, meu tio resolveu parar, e como todo caminheiro tinha (ou tem) uma arma no caminhão pra caso de roubos e etc, parou o caminhão, desceu os dois, e quando olharam pro local aonde estava a suposta familia, não havia mais ninguem lá, nem vestigios de que havia alguem la, eles subiram no caminhão, e só pararam quando o sol estava amanhecendo.
Quando soube dessa história me arrepiei inteiro, e como acredito nessas coisas, eu tive e tenho um pouco de medo dessas histórias hahahah :).

– Sempre acontece quando se está no meio do mato. E mais uma vez bato nessa tecla, se alguém souber o porquê destas aparições se manifestarem principalmente em meio ao mato, nos evidencie e sane nossa dúvida.

#06

Nome: Jean Augusto

Bom essa história aconteceu comigo a uns 5 anos atras, não me lembro detalhadamente de tudo, mais vou tentar resumir.

Primeiro vou falar sobre o local, se quiser pular direto para a parte bizarra, vcs quem sabem.

Na época eu tinha uns 12 anos, Minha família, como de costume vai todo final de ano passar o natal e o ano novo na casa da minha “falecida” avó, que fica em em Ribeira, no estado do paraná (nós moramos em são paulo). A casa da minha vó ficava em um pequeno bairro com uma única rua de barro, a rua era uma descida e a casa da minha avó ficava la em baixo. Como la era muito calor, toda noite eu minha mãe minha avó e meus irmãos ficávamos na frente da casa da vó sentados em baixo de uma árvore, conversando até altas horas da noite (era muito gostoso).
Em uma dessas noites, estávamos todos lá conversando, quando derrepente eu olho para o alto da rua (como eu já disse a rua era uma ladeira e a casa da minha avó ficava la em baixo,tinha acho que uns 10 metros da casa até o alto na rua) e vejo uns cachorros saindo correndo de trás de uma casa, eles pareciam estar correndo de alguma coisa.

Agora vem a parte bizarra

Logo depois dos cachorros terem saindo correndo, saiu um cachorro muito grande de traz da casa, era muuito grande mesmo, presumo que era do tamanho de um fusca, ele tinha o pelo todo preto e espetado, seus olhos brilhavam muito! ele não látia como um cachorro normal ele fazia uma barulho tipo “UUUUUORG” (kkkkkkkk) era um latido grosso e bem alto! Ele ficou uns segundos olhando para baixo da rua e rosnando bem forte como se fosse descer correndo para nos atacar, mais depois saiu correndo para o outro lado e sumiu. Minha mãe e meu irmão mais novo foram correndo pra dentro de casa. eu e minha avó subimos devagar para ver se ainda estava la, mais não encontramos nada.

E essa foi a única vez que vimos ele. Sempre quando eu perguntava para minha avó sobre isso ela dizia que nunca mais viu o tal cachorro gigante.

Bom, acreditem se quiser, mais a história é realmente verdadeira.

– Sério… essa história foi impressionante. Entretanto possa ter sido apenas um cão maior. Mas fica a dúvida: o que era aquilo realmente?

#06

Nome: Thuanne

Era um domingo,eu e meus pais estavamos indo para o aniverssário do meu primo,que seria num sítio aqui perto de casa. O sítio era bem grande,com uma area pra churrasqueira,salão de festas e quadra. O decorrer do dia foi totalmente normal,mas quando anoiteceu,as coisas realmente ficaram assustadoras la.. Como estavamos no sitio,o tempo estava abafado,então resolvi ficar do lado de fora do salão,andei até perto da quadra,e encontrei meu primo,ele estava chorando,perguntei o porque de ele estar chorando e ele me disse,que havia visto um “fantasma” por entre as árvores,eu não acreditei,claro,achei que era só a imaginação dele,afinal,na época ele tinha 10 anos. Andei até a porta do salão de festa,e me sentei no ultimo degrau,de frente pra quadra,fiquei olhando meus primos brincarem por um tempo,me distrai um pouco,e quando olho novamente em direção a quadra,vejo um homem,totalmente vestido de preto,com o rosto “apagado” ele não tinha olhos,orelhas,boca,nariz,absolutamente nada. Ele começou a mancar em minha direção,fiquei apavorada,comecei a chorar,e sai correndo pra dentro do salão,quando olhei pra quadra novamente,o homem havia sumido. Aquilo realmente me assustou,jurei a mim mesma que nunca mais voltaria naquele sitio.

#07

Nome: Artur

yo povo :)

eu tinha uns 9 anos quando toda noite, eu via enfrente a minha cama um homem parado, eu não conseguia ver seu rosto, mas era um rosto meio redondo com o queixo pontudo e ele era bem magrelo. eu conseguia me mexer mas eu dormia no escuro total e tinha muito medo de me levantar e ir acender a luz ou ligar a tv, ele não se mexia, ficava la parado ate eu ir dormir, eu tinha certeza de que não era um sonho. eu via ele toda noite por mais ou menos um ano.Uma vez eu falei pros meus pais, mas eles não acreditaram e meu pai me dizia que era o cabide to quarto. por isso sempre tive medo do escuro ate hoje, sempre durmo com a tv acesa, que bom que tem timer.

#08

Nome: André Felipe

Bom, é um relato que talvez não seja bizarro para muitos, mas lá vai ..
Quando eu era menor, tinha uns 5 ou 6 anos estava de ferias no Ceará, e lembro que sempre brincava com minha prima, que era um pouco menor que eu ..
Neste lembro que meus pais e meus tios estavam bebendo e conversando no bar e eu como sempre brincando com minha prima, e lembro que nesse dia estavamos brincando dentro do carro e resolvemos sair para brincar .. Lembro-me de ter me afastado pra um lugar meio esquisito, e lembro de estar com um carrinho na mão, olhando pra ele, e vi uma luz muito forte vinda do céu, quando olhei pra cima, tinha uma nave extraterrestre, lembro que ela estava muito baixa, e dava pra ver ela nitidamente.. Fiquei paralisado, somente olhando, nao me mexia nem gritava.. E lembro de descer um feixo de luz dela bem onde eu estava, e foi nessa hora que escutei minha mãe gritando meu nome, e foi ai que o objeto saiu voando rapidamente.. Não comentei nada com minha familia sobre isso dps do ocorrido, mas lembro de n conseguir dormir naquela noite pensando naquilo..
Até hoje, não sei se realmente aconteceu, ou se ufoi fruto da minha imaginação, mas quando conto para alguem, ninguem acredita..

– Geralmente quem é abduzido será sempre abduzido. É um processo de hereditariedade. Se o seu pai ou sua mãe crêem ter sido abduzidos, você, seu filho(a), seus netos também têm uma grande chance de serem.

#09

Nome: R.

Como escrever um texto sobre atividades sobrenaturais sem que se pareça clichê? Creio que seja difícil, e como diz aquela velha frase “muitos não vão acreditar”. Nem eu acreditava, até acontecer comigo mesmo.

Eu tive uma namorada bastante problemática em se tratando de personalidade, e hoje vejo que nossa relação não foi das mais saudáveis, mesmo tendo namorado cerca de cinco anos e tê-la amado muito.

O que mais me intriga, é que as coisas que aconteceram de estranho comigo ela sempre estava de uma forma ligada, seja direta ou indiretamente. Mas isso não vem ao caso.

De quatro eventos (se posso chamar assim) que vivi, dois me marcaram mais. Um deles é o seguinte:

________________________
Minha namorada era de outra cidade, cerca de 2 horas de ônibus da minha, e todo final de semana um dormia na casa do outro. Nesse final de semana era na minha casa.

Lembro que era um sábado, cerca de 2 horas da manhã, ela estava dormindo, e eu sem o menor sono fui pro PC. Fiquei lá mais umas duas ou três horas. Voltei pro meu quarto, e me deitei ao lado dela pra dormir.

Do nada a maluca começa a berrar e tremer, e ficou me segurando chorando e tremendo bem forte! Eu sem entender porra nenhuma, depois de perguntar o que havia acontecido, sem ter respostas, me resumia somente em tentar acalmar ela. E quanto mais eu tentava acalmar, mais ela tremia e chorava.

Até o momento em que ela disse: “ta alí! ta na porta dando risada!”.

Quando ela disse isso eu gelei. Não sei descrever a sensação que tive, apenas fiquei abraçado nela tentando acalmá-la (e acalmar a mim mesmo).

Isso durou quase uma hora, um inferno! Quando amanheceu eu perguntei o que tinha acontecido, e ela sempre chorando não queria me falar.

Passaram-se uns dias, e eu perguntei de novo sobre aquela noite, mesmo sabendo que esse assunto incomodava ela. Ela me disse que primeiro viu um homem parado na porta do quarto olhando pra gente e rindo. Depois viu o mesmo cara do meu lado da cama, bem perto de mim, me olhando fixamente e esboçando o mesmo sorriso.

O que comentar sobre esse fato? Eu espero que tenha sido alguma alucinação dela, já que ela tem medo de escuro, e nessa noite, como ela tinha dormido antes de mim, eu desliguei todas as luzes do lugar.
___________________________________________________

O segundo fato foi diretamente comigo.
Estava no skype com um amigo que na época morava na Alemanha.
Como de costume era tarde da noite (sou madrugador), e era novamente em um sábado, só não consigo me lembrar se a tal namorada estava na minha casa (dormindo no meu quarto), ou se dessa vez ela não estava.

Bem, aconteceu da seguinte forma. Conversava normalmente com ele, quando do nada ouvi um barulho na parede de trás como se alguém a tivesse empurrado, socado… A casa dos meus pais é de madeira (hoje não moro mais com eles), e essa parede que dividia a “sala do computador” com a sala de estar era bem fina.

Pensei comigo mesmo que não era nada e continuei a conversa. Um tempo depois o mesmo estrondo novamente. Minha namorada não era, meus pais não estavam porque naquela noite eles estavam trabalhando, como todo final de semana (eles trabalham com eventos, filmam casamentos, festas de 15, esse tipo de coisa).

Eu sai de onde estava e procurei pela casa toda se alguém havia entrado, eu estava com o %$ na mão obviamente. Chequei todos os lugares até o porão.

O barulho não se repetiu mais, pensei que era alguma coisa da minha cabeça.

Lá pelas 5 da manhã meus pais chegam. Fui até eles e contei do ocorrido. Minha mãe do nada começa a lacrimejar. Perguntei o motivo. Ela disse que sempre via “gente” andando pela nossa casa mas não contava pra ninguém para não causar pânico.

Eu fiquei ao mesmo tempo puto da cara com ela por não me contar, e muito chocado!

Lembro que esse dia me rendeu umas horas de conversa sobre “sobrenatural e frequências de energia” com o meu pai.
_______________________

São essas duas as mais marcantes, se alguém um dia tiver curiosidade sobre as outras, será um prazer compartilhar.

– Aqui em casa, quando eu era mais novo, na verdade eu era bebê, meus parentes tinham acabado de se mudar para cá. Minha mãe me relatava que, do nada as luzes acendiam e apagavam, a tampa do vaso caía e, o mais incógnito de todos, era a comida levitar da frigideira. Certa vez minha mãe estava fritando bife para a janta quando ele levita uns 10 centímetros da frigideira. Minha mãe bem entendida fez uma reza. Depois chamou uma pessoa para rezar a casa. Nunca mais aconteceu nada a aqui. Compartilhe conosco, R.! É uma grande curiosidade que eu tenho e tentar encontrar explicações plausíveis para o que não é comum.

#10

Nome: Márcio

Boas,o meu nome é Márcio sou de etnia cigana e sou português,tenho 20 anos e o relato que vou contar a seguir passou-se mais ou menos em 2005 ou 2006.
Então foi o seguinte,eu tinha ido com a minha mãe e a minha irmã de 2 anos na altura visitar a minha avó que vivia numa barraca,e ao lado da barraca da minha avó vivia o meu tio com a sua mulher e os 3 filhos um deles apenas com dias de idade. Naquele bairro apenas viviam ciganos todo família uns dos outros,e em uma noite um primo do meu tio que era toxicodependente passou pela barraca do meu tio e deu um pontapé na porta da barraca(que era feita de chapa) e fez um barulho enorme acordando o filho recém nascido do meu tio,o bébé foi atrás do choro e desmaiou e naquilo começou uma série de gritos e de insultos entre o meu tio e o primo dele e mulher do meu tio aos gritos a chorar com o bébé no colo desmaiado,e então nós que estávamos mesmo ali ao lado saímos em auxilio do meu tio,e no meio da discussão a minha avó rogou uma praga ao primo do meu tio dizendo que ele no dia seguinte morreria num beco sozinho,e para o espanto de todos nós e mais o meu né,no dia seguinte recebemos a notícia que o mesmo havia morrido mesmo de uma overdose,nisso a tia avó(irmã da minha avó e mãe do primo do meu tio) nunca mais falou com a minha avó.
Não sei se foi coincidência ou não,mas que foi muito muito estranho foi.

– Eu tenho uma admiração enorme pela cultura cigana. Agora eu entendo perfeitamente o termo “praga cigana”. A título de conhecimento, o Brasil é o país com mais ciganos no mundo chegando a marca de mais ou menos 800 mil. Conheço umas pessoas que se declaram ciganas mas não são nômades, logo, não sei se posso dizer que, de fato, são.

#11

Nome: Fábio

Bom, espero que vocês entendam a falta de detalhes, pois eu mesmo não tive absolutamente nada a ver com o fato, e sim pessoas conhecidas da minha avó.
Essa história me foi contada por minha avó e de fato realmente aconteceu.
Certo dia, há mais ou menos uns 3 anos atrás, uma menininha de três anos brincava no quintal de sua casa, e havia um poço nesse quintal.
Não sei bem ao certo como (na verdade não me lembro direito, mas minha avó me contou), mas essa menininha caiu dentro do poço. A mãe dela a viu caindo e logicamente ficou apavorada e saiu gritando para que por favor alguém a ajudasse a resgatar a filha dela. Até que um de seus vizinhos a ajudou, desceu no poço com ajuda de uma corda e conseguiu pegar a filha dela. Foi ai que as coisas começaram a ficar estranhas, a menina estava molhada apenas até a altura de suas canelas, porém o poço estava bem cheio, e facilmente encobriria a menina. Passado o desespero, a mãe questionou a menina de como ela não ter se afogado nem nada, e a menina só dizia que uma mulher havia colocado ela em seu colo. Claro que a mãe dela achou absurdamente estranho e continuou questionando-a, e só o que ela ouvia era isso, que uma mulher havia colocado-a em seu colo.
Passado alguns dias do ocorrido, a mãe da menina resolveu ir à igreja para agradecer o “milagre” para com sua filha, e a levou sua junto. Chegando então na igreja, elas caminharam em direção as imagens que ficam lá na frente, e lá chegando a menininha falou com grande alegria “ali mamãe, foi aquela moça que me ajudou”, quando a mãe olha, a menina está apontando para a imagem da “Nossa Senhora”.
Sinceramente, essa história realmente me comove, justamente pelo fato de ter acontecido com uma criança, e eu sinceramente, não acredito que uma criança de três anos tenha tamanha imaginação para tanto.
Bom é isso, espero que tenham gostado.

– Em um dos meus próximos posts pretendo tratar da aparição de Nossa Senhora ao redor do mundo.

#12

Nome: Lilianna

Oi DraftL, obrigado por esse espaço!

Tudo aconteceu quando eu tinha 13 anos, na época eu cursava a 7ª série do primeiro grau no Sesi, meu horário era das 15;30 as 20 horas, sempre voltava sozinha para casa, eu tinha vários colegas de classe que faziam o mesmo trajeto mas eu nunca gostei de andar em “bando”. Preferia andar sozinha sempre. Certa noite, voltando das aulas, ouvi passos atrás de mim, passos de alguém que caminhava com pressa, olhei para trás mas não avistei ninguém, achei estranho porque tinha certeza de que ouvi alguém se aproximar, eu continuei meu caminho, ainda ouvindo os passos, olhava desconfiada para as sombras que as árvores projetavam na calçada, havia alguns postes com luzes queimadas, meu coração estava disparado porque eu tinha certeza que alguma coisa me seguia e ia de alguma forma me atacar! Mas eu só ouvia os passos, eu senti vontade de correr, mas mantive a calma até que cheguei em casa, abri o portão, e subi uma escadinha de 5 degraus, e os passos continuavam atrás de mim, seja lá o que fosse entrou em casa comigo! Vi minha mãe na cozinha, eu não contei nada do que estava acontecendo e nem do que estava ouvindo, apenas a beijei e fui tomar banho, sempre sentindo aquela presença atrás de mim, ouvindo os passos nitidamente onde quer que fosse, por todos os cantos da casa, quase perguntei para minha mãe se ela estava ouvindo “alguma coisa” mas fiquei calada, depois do jantar fui me deitar, e já debaixo das cobertas, um homem me abraçou por trás, eu não o via, mas sentia seu corpo inteiro colado no meu, era alto e forte e dele emanava muito calor, nessa situação acho que o normal seria eu ter pulado da cama e ter saído gritando pelo corredor feito uma louca, mas eu mantive a calma porque sabia que era a mesma “coisa” que andou me seguindo naquela noite, o abraço não era sufocante, ele não me apertava, mas apenas me aconchegava como um marido faz com sua esposa, eu sentia o nariz dele e a respiração na minha nuca, foi então que vencendo o medo perguntei num fio de voz: quem é você, porque você esta me seguindo? Ele respondeu, eu não estou te seguindo Lilianna, eu estou te protegendo. Então eu perguntei: como você sabe o meu nome? Você é um fantasma? Porque você é invisível? Ele respondeu num tom baixo porém divertido: Eu sei teu nome, eu sei tudo ao seu respeito e não, eu não sou um fantasma, sou tão vivo quanto você, apenas me desloquei no tempo para te encontrar, e eu estou “invisível” porque é a minha alma que esta aqui. Eu vou passar um tempo com você.
Ouvindo aquilo me passava tantas coisas pela cabeça,como por exemplo “ele veio me proteger do que? ” o que é se deslocar no tempo?” o que esta acontecendo aqui meu Deus do Céu”? mas ai eu só disse__Deixa eu te ver?
Mas ele disse que não, por hoje chega, amanha você me verá, vou te buscar na escola de novo.
Bom, naquelas alturas eu não sentia mais medo, porque por mais BIZARRA que fosse a situação, a presença dele era muito reconforte, o corpo forte dele emanava paz e calor, tanto que dormi, e na manha seguinte acordei eufórica, feliz, pasma, sei lá, queria ir para escola, terminar o período de aula e ve-lo ver aquela “coisa”! Os passos recomeçaram por volta das 5 da tarde, e me seguiam pelos corredores do Sesi, e por quer que eu passasse, agora não só eu ouvia os passos dele como também sua voz, eu pedia para que ele me “provasse” que estava ali mesmo fazendo mover um caderno, uma caneta, sei lá qualquer coisa e ele fazia! era incrível! Meus colegas de classe me viam rindo sozinha, perguntavam o que estava acontecendo mas eu mantive silêncio,não contei nada e mesmo porque se contasse seria zoada pelo resto da minha existência! Quando a aula terminou eu desci voando pelas escadas em direção ao portão onde ele disse que eu o veria fisicamente e no meio daquela profusão de alunos e vans escolares e pais de alunos eu vi um rosto que jamais tinha visto por ali, e no ato soube que era ele: Alto, acima de 1.90cm, atlético, moreno, olhos verdes, covinha no queixo e uma expressão seria, ele era muito mais bonito do que eu esperava, e me perguntei se as outras pessoas que estavam ali podia ve-lo também mas tive minha resposta quando vi uma senhora passar por dentro dele, ela atravessou o corpo dele como se não tivesse nada ali, eu me aproximei e sem falar nada só comecei a andar tomando a direção de casa, ele quem falou primeiro__Agora que sabe como eu sou pode me chamar de Wagner.
Ele me acompanhava todos os dias, e dormia abraçado comigo todas as noites e isso durou 6 meses até que ele desapareceu por completo.
Nunca mais ouvi passos, nem o vi se “materializar” e nem me abraçar a noite. Claro que antes de desaparecer d minha vida ele me contou muitas coisas. Era incrível ve-lo afirmando categoricamente que não era um fantasma, mas que era tão vivo quanto eu, ele dizia também que um mau terrível iria me acontecer mas que ele chegou em tempo de “me salvar”.
Claro que eu pensava com meus “botões” se não estava imaginando coisas ou que aquilo ali era o capeta que não tinha o que fazer la embaixo e subiu pra me torrar o saco! Mas o fato é que eu nunca soube o que exatamente foi aquilo tudo. Depois de adulta contei para algumas pessoas que se diziam entendidas de espiritismo, mas a resposta é sempre a mesma: Exu!
UHAUHAUHAUHAUH!! Meu Deus, sei lá, nem sei como e nem de onde tirei tanta coragem para expor isso aqui, talvez porque o IEB seja visitado por milhares de pessoas todos os dias e quem sabe , alguma dessas pessoas possa ter uma resposta para isso.
A unica coisa que eu sei dele é o nome completo, mas nunca acreditei que esse nome fosse verdadeiro porque pesquisei em tudo quanto foi lugar e não achei nada, Wagner Pontelli Hutison, o google ainda me corrige dizendo: VOCÊ QUIS DIZER HUDSON….
Tenho também uma carta que ele deixou debaixo do meu travesseiro antes de desaparecer, bom, deixei de contar muitas coisas para isso aqui não ficar muito extenso e maçante.
Obrigado a todos e principalmente á você João, rs; DraftL.

– Este foi um dos posts que mais me fez refletir. Se os espíritos existem e eles são eternos, independente de estarem encarnados ou não, eles podem deslocar-se de um lado para o outro. Creio eu que seja isso. Pessoas, uma das propostas daqui do site é ajudar aos nossos amigos de blog a encontrar respostas. Se tiver alguma pista relacionada a tal, favor, esclareçam.

#13

Nome: Felipe

Sou ateu, mas tenho a mente aberta, algumas vezes aconteceram coisas um tanto estranhas comigo, estou aberto a comentários.

Quando tinha por volta de uns 6 ou 7 anos, dormia com minha mãe em uma casa humilde e pequena, o banheiro era um tanto distante do quarto e tinha que passar pela cozinha para chegar até lá.
Muitas vezes me acordei durante a noite e havia uma senhora sentada ao lado da cama olhando para mim, mas eu nunca conseguia ver o seu rosto e uma vez eu tentei tocar nela, mas quanto mais perto eu chegava eu nunca conseguia alcança-la. Enfim ela parou de aparecer, eu pensava que podia ser um sonho, mas uma certa noite eu queria ir ao banheiro, quando cheguei a cozinha ela estava sentada em cima da mesa de frente para mim, como se estivesse me esperando, e pela forma como ela balançava as pernas ela estava contente com alguma coisa.

Depois disso nunca mais a vi, porém uma outra vez estava brincando nos fundos da minha casa e no terreno abandonado ao lado eu avistei um homem muito alto e com uma toga branca me observando ele ficou durante muito tempo ali, eu tenho certeza de que não era imaginação por que sai correndo e quando olhei para tras ele ainda estava lá, chamei minha mão mas ela não encontrou ninguém.

Diversas vezes já me acordei com vezes, uma chamando meu nome e outra falando palavras muito bonitas as quais não consigo lembrar.

#14

Nome: Daffy

Estavamos viajando eu, meu pai, meu irmao e minha mae, pela BR101 Rio de Janeiro – Vitoria, no fim dos anos 70. Dai, meu pai percebeu que tinha uma luz branca e forte proxima ao carro, como se estivesse nos acompanhando. Dai, ele parou o carro no acostamento (era noite, e nessa epoca nao havia muitos problemas de assaltos), ficamos observando a luz, que veio se aproximando, ficou uns 5 segundos ali parada, dai foi se afastando, e acabou desaparecendo. Ate hoje nao sei o que aquilo foi. ET`s, sera?

– Quem sabe?

#15

Nome: Natalia

Eu tenho dois casos bizarros que aconteceram em minha vida..Então aproveitando esse espacinho que a galera do ieb deixou, vou compartilhar com vocês :)

O 1º aconteceu há mais ou menos 3 anos atrás.
Eu tinha acabado de ganhar um celular novo e tava na febre pra usar tudo que ele tinha..(até porque foi o primeiro celular decente que tive)
Bom..até ai tudo bem, passado alguns dias da compra, algum parente da minha mãe morreu, e nós fomos ao velório. Chegando lá, na sala ao lado, havia um outro rapaz sendo velado e minha mãe muito curiosa pediu p/ mim ir ver o nome do tal rapaz, porque cidade pequena todo mundo conhece todo mundo né.Mas enfim, fui até a sala ao lado e vi que não se tratava de uma pessoa conhecida, achei estranho e cheguei mais perto pra ver melhor, ao entrar na sala ja escutei os relatos de que o jovem havia morrido em um acidente de triciclo que ele mesmo havia feito. Do lado dele havia uma placa com o nome, então li pra contar pra minha mãe, mas o sobrenome era muito dificil de se guardar, então aí que tive a GENIOSA ideia de usar meu celularzinho novo p/ tirar uma foto do nome do rapaz.
Peguei o celular e testei a câmera tirando foto da minha mão, tudo ok, fui tirar a foto do nome dele e…NADA! a única coisa que saia na imagem era um chuviscado como tv quando sai fora do ar, olhei aquilo e pensei “não é possível”, tirei uma foto da minha mão denovo p/ ver se não era algum problema de luz ou seilá, e saiu normal..fui tirar a foto do nome e..só o chuviscado denovo! fiquei com muito medo, quando cheguei na sala que estava sendo velado o parente da minha mãe, contei p/ ela oqe tinha acontecido e ficamos vários dias com aquilo na cabeça..até hoje tenho pavores daquela sala…

o 2º aconteceu ha poucos meses..Como vários leitores aqui, eu também já li algo sobre os tais “sonhos lúcidos” e sempre pensei “nossa! que maneiro qeria ter um também” mas mal sabia eu que seria a pior sensação da minha vida..Eu estudo de manhã e costumava chegar na hora do almoço e dormir até sabe lá quando.
Um dia desses, eu deitei e dormi até umas 17:00 horas. Hora que meu irmão chegou do serviço e me acordou com o barulho, porém eu não levantei, e estava com muito, MUITO sono..fiquei olhando pra porta e escutando o que ele estava fazendo, até que de repente o lençol da cama começou a balançar, e eu tentava abrir melhor o olho pra enxergar o que estava acontecendo mas não conseguia de tanto sono, e o lençol começou levantar e eu comecei tentar gritar, mas a minha voz parecia não estar saindo, e eu queria abrir o olho e “acordar” mas p/ mim eu já estava acordada mas meu olho não se mantinha aberto, desespero total.
Até que consegui levantar e fui perguntar pro meu irmão se ele não tinha escutado meus gritos, ele disse que não e voltou pro que estava fazendo.
Chegou a hora do jantar e ele me perguntou do que eu estava falando, e eu contei p/ ele do acontecido, então ele me falou que tinha escutado meus gritos sim, mas achou que era uma brincadeira.
Até hoje quando lembro disso, lembro do desespero e da agonia que senti, não sei até onde foi sonho ou até onde foi real, só sei que foi MUITO BIZARRO.

– Teve uma vez que eu tava dando uma de super humano e não dormindo, se domia, era 1~2 horas. Sempre quando eu ia dormir quando eu ia fechar os olhos aparecia cada coisa estranha e inexplicável. Mas eu sei que foi por causa do cansaço. Ele faz coisas incríveis.

#16

Nome: Luiz Carlos

Olá pessoas, já aconteceram várias coisas bizarras comigo, mas uma das mais marcantes foi a morte de um colega meu.
Eu tinha uns 11 ou 12 anos, ia buscar meu irmão na escola, que ficava logo a cima do ponto final dos ônibus da região do meu bairro, era um lugar bem irresponsável pra funcionar um ponto final de ônibus – era uma curva e uma descida -, pois bem, quando eu estava chegando na curva antes do ponto final encontrei o meu colega passando pelo mesmo lugar de bicicleta, eu o cumprimentei e ele retribuiu o cumprimento e para isso tirou uma mão do guidão da bicicleta, neste exato momento um ônibus fez a curva na descida, nesse momento parece que eu entrei numa espécie de transe, onde pude ver os próximos acontecimentos ocorrerem em câmera lenta e com uma nitidez enorme: o meu colega – que tinha retirado a mão do guidão – desviou do ônibus, mas foi direto num poste que ficava na calçada, ele bateu a cabeça nesse poste, deixando uma marca de sangue no mesmo, e com a pancada seu corpo foi lançado novamente na rua, o ônibus não tinha terminado de fazer a curva, e meu colega caiu no espaço entre os eixos do ônibus, as rodas de trás passaram em cima de sua cabeça, ainda me lembro do som grave e abafado do seu crânio “explodindo” e as marcas de sangue e massa encefálica marcando o asfalto.
Fiquei paralisado, várias pessoas correndo na direção do ônibus, e pouco tempo depois a mãe do menino chegando e demorando um pouco pra reconhecer (ou ser avisada, não me lembro) eu filho e começar a gritar desesperadamente.

– Isso se chama adrenalina. Todos nós temos um cérebro reptiliano que nos ajuda a nos mantermos vivos. Ele geralmente fica mais apurado em situações de estresse extremo o que faz com que os seus sentidos fiquem mais aguçados. Não é a explicação mais detalhada do mundo mas é basicamente isso. Corrijam-me se eu estiver errado.

#17

Nome: Karina

Desde pequenas tenho sonhos estranhos q são reais e tal. Fora vultos e sensações q sempre vi.
Mas o q mais me chamou atenção foi uma vez q sonhei com um menino me pedindo ajuda. E no sonho ele levava um tiro na nuca, e o mais impressionante nisso é q eu tava la vendo o acidente todo, eu vi ele em cima de uma moto amarela, até a placa da moto eu vi. No dia seguinte eu acordei e fui pra escola, quando voltei meu vizinho tava chorando e na frente da casa dele tinha um caminhão com uma moto, quando eu olhei a moto era igual ao q tinha sonhado até a placa. E dai eu fui e perguntei pra ele oq tinha acontecido. O meu vizinho me falou q o filho dele tinha morrido com um tiro na madrugada. Dai eu só conhecia um filho dele, e era um menininho lindo de 4 anos. Dai eu prguntei quem era o filho dele, ele me mostro a foto e era o mesmo do q eu tinha sonhado. E eu nunca tinha visto aquela moto, aquele menino. Eu fiquei assustada, e voltei pra casa. Hj eu levo isso na boa, pq eu sempre tive isso, desde pequena. Geralmente vejo mais do q sonho. Mas sempre aparece alguns sonhos assim. esse foi oq mais me chamou atenção. Mas dps comecei a ler sobre isso e comecei a saber doq se tratava. Hj eu levo na boa. Pq mesmo nao querendo eu vo ver e sonhar.

– É sempre através do sonho. É muito curioso! Já que você começou a ler, exponha-nos uma explicação. É sempre bom aprender. Ah! E que bom que tenha melhorado. :)

#18

Nome: Mjrn

Olá, meu “nome” é Mjrn. Sou portuguesa, tenho 21 anos. O que vou-lhes contar não é tão bizarro e estranho como os relatos que acabei de ler. Mas digo-vos: sempre aconteceram coisas estranhas comigo durante esta minha vida, começando com o dia em que eu nasci. Dia 24 de Maio de 1990, era para ser uma data muito feliz, tirando o fato de que, no início desse mês, minha avó paterna havia falecido devido a complicações causadas pelo diabetes. Meu pai sofreu muito com a perda de sua mãe e, infelizmente e obviamente, não cheguei a conhecê-la. À medida que fui crescendo meus familiares sempre me falavam: “Nossa Senhora de Fátima, como és parecida com a tua avó”, “Tens os olhos iguais à tua avó”, “Tens o mesmo cabelo”, esse tipo de coisa e eu nunca achei nada demais nisso. Passaram-se alguns anos e vim morar para o Brasil. Numa de minhas viagens a Portugal para visitar a família, fui ver meus primos de 3º e 4º graus (por incrível que pareça, somos unidos). Quando fui até à casa da família, Mike e Karol (nomes fictícios) ficaram espantados e em silencio por alguns segundos e, após me cumprimentarem, me levaram até à sala onde estavam outros primos e a prima mais velha (uma autêntica vóvó). Nisto, eu disse “olá” e novamente a cara de espanto, principalmente do primo Tony (tem esquizofrênia) e da Prima-Vóvó. Eu me perguntava o que raios estava acontecendo, até que Karol veio até mim e disse “Hey, não te preocupes, é que, por alguns segundos pensavamos que eras a avó. Fiquei tensa e pensativa por alguns dias, mas, depois daquilo, essa parte da família sempre me abraça e me trata de uma forma diferente, mais carinhosa.

Outro fato estranho relacionado à família é que, quando meu pai faleceu, minha mãe e todos os amigos e parentes próximos, começaram a dizer que eu estava cada vez mais parecida com o meu pai, inclusivamente, dia destes, minha mãe chegou a dizer que eu estava falando igual a meu pai.

Bem, é isso, nada demais, apenas alguns fatos que me deixam encucada. Tenho muitas outras histórias bizarrinhas para contar, mas vou deixar pra próxima. Um grande abraço e sucesso para o blog, Mjrn.

#19

Nome: Lucas

Quando eu tinha 5 anos minha avó faleceu de câncer de mama,lembro-me que toda minha família estava reunida no quarto do hospital onde ela estava internada,pois o medico já havia informado que daquela noite ela não passaria,fiquei muito arrasado,pois eu era muito ligado a minha avó.

chegamos em casa la pelas 9:40 da noite,e fomos tentar dormir,entrei no quarto sentindo minha alma pesada e magoada,mesmo tão pequeno descobri o que era perder uma pessoa que você ama e admira,deitei na cama e continuei chorando e escutava minha mãe chorando no outro quarto culpando a Deus por ter tirado a pessoa que mais a amou na vida,algum tempo depois consegui dormir(não sei a hora em que consegui dormir),de repente senti uma mão alisar meus cabelos e quando abri meus olhos não conseguia acreditar no que via ao lado da minha cama,minha avó com seu vestido amarelo que ela sempre usava,ela falou pra eu não me preocupar e que ela estava bem e em paz, que estava totalmente curada e que sua dor passou,ela me abraçou,senti uma brisa fria gelar minha espinha,então ela me pôs na cama e me cobriu com o lençol saiu e fechou a porta do quarto.

Na manhã seguinte sai correndo do quarto para dar um abraço na minha avó de novo,procurei por toda a casa e não a achei,então perguntei a minha mãe onde ela estava,e ela me respondeu com lágrimas nos olhos que ela havia morrido ontem,e que tudo o q passei naquela madrugada não passou de um sonho.

– Lucas, partindo do pressuposto de que as crianças são as conexões mais fortes entre este mundo e o outro, ela veio avisar que está tudo bem. Pode, entretanto, ter sido um sonho ou não. Para ambas as escolhas, existem explicações. :)

#20

Nome: Nando

Ola, vou relatar aqui duas experiencias digamos que “estranhas” que eu tive:

1-Quando eu tinha entre sete e oito anos eu voltava de uma janta, era tarde da noite eu estava bem acordado pois tinham muitas crianças que tinham idades proximas a minha e eu fiquei brincando com elas, eu estava passando em frente a um restaurante que tinha grandes cercas vivas em volta de sua propiedade, eu estava meio destraido e o carro estava reltivamente rapido, algo me chamou a atenção atras das cercas vivas, eu olhei mais parecia não ter mais nada la foi então que vi dois pequenos olhos vermelhos, aquilo se movia tão ou ate mais rapido que o carro logo sumiu eu achei que era apenas minha imaginação e esqueci isso

2-Isso se passou varios anos depois do relato acima, eu tinha 12 anos, certa noite fui dormir, estava tudo normal eu deitei e logo dormi pois estava muito cansado, no meio da noite acordei sentindo uma leve tontura, minha cama ficava encostada na parede e perto dos meus pés havia uma janela que dava para a cozinha, quando passei os olhos rapidamente pela janela vi um vulto branco se mover la, achei q era uma jara ou algo assim que tinha se movido aparentemente por eu estar tonto, me levantei fui ao banheiro lavei o rosto e voltei para o quarto, fechei a cortina da janela e me deitei de bruços, como é de costume fui colocar a mão em baixo do travesseiro mas, tinha algo frio e molhado la, eu pulei pra tras e tirei o travesseiro, não tinha nada la, mas quando olhei pra tras, tinha uma criança em cima do guarda roupa, eu tentei gritar mais a voz não saia eu fechei os olhos e fui com o rosto no cobertor, fiquei la a noite toda, ate hoje não sei se foi um sonho ou se aquilo realmente aconteceu.

– Só pra constar que NEM tudo é um sonho lúcido.

#21

Nome: Deivid

Eu não sei explicar direito , mas desde meus (creio n tenho certeza) 10 anos vem acontecendo algumas coisas comigo . bom la vai :

depois de alguns acontecimentos , conversas e outras coisas parecia que eu já tinha presenciado aquilo e n era só uma sensação eu ficava espantado mesmo !
a primeira vez que isso me aconteceu foi em um passeio de sala na minha antiga escola , nos fomos “subir” uma montanha , dentro da mata
eu subi em um pedra e olhei para a paisagem linda com um cachueira logo ao lado , veio um clarão no rosto senti algo , e vi aquele mesmo lugar , em outra época como eu já estive ali . isso me espantou muito ,fiquei em “choque” quase passei mal .
depois daquele dia acontecia cada vez mais .

por favor me ajudem oque poderia ser isso ?
respondam aqui ou entrem em contato no meu msn ou email .
muito obrigado e eu so fan do IÉB

– Opa! Bom… eu creio que possa ter sido um déjà vu. Teve uma época em que isso me acontecia quase todos os dias. #PodeIssoArnaldo?

#22

Nome: Alcides

Eu estava indo para o sítio do meu avô, e logicamente estava numa estrada de terra rumo a sua casinha humilde no interior paulista. No meio da estrada de terra o carro desligou. Assustado, desci do carro e fui checar os pneus, estavam todos vazios, o tanque tinha se esvaziado, a bateria do carro tinha acabado. Ainda bem que era a tarde ainda, por sorte a estrada tinha um pouco de sinal de celular ( era VIVO o celular, se fosse TIM nao pegaria), liguei para um amigo que morava perto de lá e pedi pra ele pedir ajuda, pois eu não tinha bateria, nem pneu, nem gasolina. Ele falou que ia demorar um pouco, e era pra eu esperar pois ele estava ocupado. Eu senti na beira do carro, e esperei o retorno de meu amigo, misteriosamente, no que eu olhei o horizonte vi a figura de um homem num cavalo, fui em direcao a ele para pedir ajuda, mas do nada a imagem sumiu. Juro que ouvi os passos do cavalo e senti a presença de um homem. No que eu voltei para meu carro estava tudo em orde pneus cheios, bateria e tanque ok. Liguei para meu amigo, e expliquei o que tinha acontecido, ele assustado disse ”OK” e eu fui no sitio do meu avo. Estranho né? O que será a figura que eu vi aquele dia ? Como os pneus murcharam e encheram, como a gasolina acaba e o tanque enche de novo, como a bateria ressurge ? Prefiro não pensar nisto.

– Ixi, Alcides… eu acho melhor você perguntar lá no posto Ipiranga! Hahaha! Seu relato foi bem estranho mas eu senti que deveria escrever isso. :)

#23

Nome: O.

Bom, creio que assim como outros nordestinos, minha infância foi dividida entre brincar (coisa que toda criança deve fazer, apesar das bizarrices que vemos por aí todo dia) e ouvir histórias de assombrações e coisas sobrenaturais.

Nossa família foi sempre muito centrada na figura de minha bisavó Maria, mulher alta e negra, neta de uma índia cabocla que foi laçada como laçam cavalos pra poder se casar… (!)

Bom, deixando de lado essas histórias mais antigas de minha família (que são bem loucas rsrs) e voltando à minha bisavó… Ela era realmente o centro da família, e sempre nos dava conselhos quase místicos sobre algo que ela se referia como um “dom” que Deus havia concedido à nossa família.

Segundo ela, sempre que estivéssemos em perigo, “algo” nos avisaria, e de algum modo nós saberíamos que algo de ruim estaria pra acontecer.

O paradoxo é que ela era MUITO católica, e mesmo com as crenças da Igreja, continuava sempre com esse lado místico bastante forte. Por exemplo: perto do fim da vida, ela já não enxergava mais nada, pois a catarata havia tapado completamente os dois olhos dela, mas mesmo assim, num domingo em minha casa, de manhãzinha (quando passa a missa), ela disse estar vendo Jesus crucificado (e realmente estava sendo mostrada a imagem de Jesus crucificado na TV).

Ok, pode ter sido a imagem clara da TV que a fez notar os contornos da imagem e tal…

Mas o que vim descrever aqui foi algo que aconteceu passados alguns meses de meu nascimento.

Minha mãe me levou para a casa de minha avó, e lá toda a família se reuniu para conversar de noite, na sala. Antes de sair de casa comigo ela já havia “sentido” que algo não estava muito bem naquela noite.
Minha mãe e suas primas eram ainda jovens, e começaram à falar sobre espíritos, demônios, casas mal assombradas e etc.

Daí minha bisavó advertiu que não se pode falar dessas coisas quando se está com o “corpo aberto”, ou seja: sem nenhuma proteção divina, sem ter antes rezado e tal…
Minha mãe e as primas dela não levaram à sério e começaram à meio que zombar do Diabo, dizendo que não precisavam ter medo algum de fantasmas e coisas sobrenaturais, pois ele não tinha poder e que ele nem existia…
Daí é meio que aquela velha história de não se mexer com quem está “quieto”…

De repente (isso minha mãe, primas e os demais familiares que estavam presentes juram que aconteceu), ouviram um grande estalo, como se o barulho viesse do chão, como quando algo se racha. E um forte cheiro de queimado invadiu a casa.

Daí minha bisavó disse aquela frase típica dessas situações: Eu não avisei?!
E ordenou que todos começassem à rezar para que aquilo que havia se manifestado fosse embora, pois já tinha dado uma pequena “prova” de que realmente existe.

– O que vou dizer é uma opinião pessoal. Aqui no próprio blog vemos pessoas extremamente religiosas. Logo, se elas são religiosas, elas tendem a ser místicas pois crêem em algo que nunca viram e acreditam em seu poder e nos seus ensinamentos. Para mim, ter uma religião é, também, ser místico. Não em um nível macro porém num micro. E depende de pessoa para pessoa.

#24

Nome: Pedro

Bem eu nao me lembro muito bem como aconteceu mas vo tenta expressar em poucas palavras,bem tudo aconteceu quando eu tinha la pelos meus 9 anos de idade,eu fui passa as ferias da escola na casa dos meus avós,em Campo Grande,eu e meu irmão ficamos no mesmo colchão,na sala,eu tinha o costume de levantar de madrugada para tomar agua,neste dia eu fiz a mesma coisa,so que quando cheguei na cozinha eu vi um homem com algo que parecia uma capa e um chapeu perto da geladeira,so que eu nao falei nada porque nao parecia ninguem da minha familia que estavam na casa,e ele parecia estar la so me observando so que nao olhava fixamente para min,voltei correndo para minha cama,quando eu vi a porta da sala semi-aberta,tentei acordar meu irmão mas ele nao acordava,mas eu deitei na cama e acabei dormindo.Quando acordei nao contei nada pra ninguem com medo de que achassem que eu era louco,e ate hoje nao conto a ninguem so que nao sei se foi um sonho ou se foi real,so sei que tenho mt medo de que aparece pra min novamente.

#25

Nome: Tarcila

Aconteceram vários relatos e ate mesmo filmagens já consegui fazer aqui
no Japão,enfim,um que jamais ficara fora das nossas memórias (minha
e do meu esposo).
Uma certa vez estávamos e nosso apartamento e tendo uma daquelas
conversas sobre relacionamento e religião,meu esposo era cético em tudo
e nesse dia propôs um desafio,que queria ter certeza que o demônio existisse
de verdade ou nao e gritou: ” se existe mesmo demônio,apareça pra mim,
Apareça !!!” e ficou rindo achando graça e eu pedindo pelo amor de Deus que
fizesse isso,pois eu quando pequeno eu via coisas estranhas e ” apagava”
Só sei que neste exato momento por trás das cortinas vem uma sombra escura,
alta,as portas de vidro trepidavam com força e eu apaguei…
Quando acordei meu esposo estaca chorando e pedindo perdão pelo que ele
tinha feito,pois eu havia incorporado e dizia com voz de homem varias barbaridades
ele chegou a filmar pra que eu acreditasse,mas ele deletou, pro desespero dele
mudamos de apartamento,pois esta figura demoníaca o perseguia e quase ele se jogou
do 5 andar do prédio com medo,por isso eu disse e digo sempre,nao grite em voz alta
dizendo ou desejando algo que nao queira ver!

– É exatamente isso o que eu acho. E, como descrito anteriormente, não mexam com quem está quieto.

Agora, caso queiram, preencham o formulário com o seu relato bizarro.

Written by DraftL

O que está em cima é igual ao que está embaixo e, o que está embaixo, é igual ao que está em cima, para realizar os milagres de uma coisa única.


Warning: in_array() expects parameter 2 to be array, null given in /home/issoebizarro/public_html/blog/wp-content/plugins/quick-adsense-reloaded/includes/post_types.php on line 46

Warning: in_array() expects parameter 2 to be array, null given in /home/issoebizarro/public_html/blog/wp-content/plugins/quick-adsense-reloaded/includes/post_types.php on line 46

Warning: in_array() expects parameter 2 to be array, null given in /home/issoebizarro/public_html/blog/wp-content/plugins/quick-adsense-reloaded/includes/post_types.php on line 46

Comentários


Warning: in_array() expects parameter 2 to be array, null given in /home/issoebizarro/public_html/blog/wp-content/plugins/quick-adsense-reloaded/includes/post_types.php on line 46