,

Gef, o Mangusto

Olá pessoas do mal bem.

Ok, a parada Gore do IÉB impera por todos os lados e tals, e confesso que tenho uma queda por sangue, vísceras e pessoas mutiladas de maneiras inexplicáveis, mas o assunto “mistérios” foi um gancho que me trouxe ao IÉB há alguns anos e é uma vertente que vou procurar seguir.

Tão vamo começar sá parada aqui com um caso fofinho ♥

Na verdade é considerado um dos casos mais estranhos do último século, e que alcançou uma certa credibilidade devido aos estudos e algumas fotos desfocadas e que não revelam nada.

Conta-se que no início da década de 30, na Ilha de Man (Reino Unido), uma família chamada Irwing, que vivia numa fazenda pequena, testemunhou um caso no mínimo estranho.

Para ser mais exato em Setembro de 1931, James Irwing, sua esposa Margaret e sua filha Voirrey de 13 anos, começaram a ouvir barulhos estranhos, como um animal selvagem, que saia do sótão da casa da fazenda. Curiosamente a “voz” por trás desses ruídos começou a se desenvolver com o tempo. Os relatos da família contam que era semelhante a um bebê aprendendo a falar, os gritos começaram a se transformar em palavras, como se repetisse as falas do James Irwing, tipo um papagaio saca? Mas eles não viam a criatura. Num espaço muito curto de tempo, este ser, tinha aprendido a falar um bom nível de Inglês!

Local onde supostamente o Gef aparecia
Local onde supostamente o Gef aparecia

Logo a criatura, aparentemente um mangusto, apresentou-se à família Irwing. Dizendo que se chamava Gef e que havia nascido em 07 de junho de 1852, em Delhi, Índia.

Gef, o mangusto, também desenvolveu um talento para o canto. Ele sabia as letras de um bom número de canções populares da época e era muito bem humorado, proporcionando a família uma fonte interessante de distração, com exceção de uma vez em que o Gef fingiu ter sido envenenado, o que assustou toda a família.

Gef permanecia oculto para a família, sendo raramente visto, exceto para a filha dos Irwing, Voirrey. De acordo com a menina, que até então era a única pessoa a vê-lo, o Gef era do tamanho de um rato pequeno, com pelos amarelados e uma cauda espessa e grande tipo o Pikachu. O mangusto aparentemente vivia dentro das paredes da casa ou talvez escondido no jardim. As evidências de que a criatura existia de verdade era apenas o som de sua voz e alguns outros estranhos acontecimentos, como objetos que foram movidos e atirados na casa.

Retrato falado do Gef
Retrato falado do Gef

Gef diversas vezes afirmou ser “um mangusto super inteligente”, um “espírito terrestre” e “um fantasma em forma de uma doninha”. Ele disse uma vez: “Eu sou uma aberração. Eu tenho mãos e tenho os pés, e se você me ver você logo desmaia, você ficaria petrificado, mumificado, transformado em pedra ou em uma estátua de sal!”

Ele tinha muitas características tradicionalmente atribuídas aos poltergeists, como um temperamento irregular, atirava objetos nas pessoas, e fez afirmações exageradas sobre seus poderes.

Gef também costumava incomodava os vizinhos dos Irwings, espionava e comunicava aos Irwings. James Irwing escreveu diários sobre Gef entre 1932 e 1935. Estes diários, junto com os relatórios sobre o caso, estão em arquivos no caso de Harry Price na Biblioteca do Senado, da Universidade de Londres até os dias de hoje.

Um dos lugares onde supostamente o Gef aparecia
Cômodo da casa onde o Gef era visto

Claro, era apenas uma questão de tempo antes que a história começasse a se espalhar na Ilha de Man, com muito mais gente começando a ouvir falar dessa parada. A história tornou-se uma grande busca para a imprensa britânica, e muitos jornalistas chegavam à casa dos Irwings, para tentar ter um vislumbre dessa criatura tão intrigante.

A melhor foto tirada do Gef
A melhor foto tirada do Gef

Até que um dia essa história chamou a atenção de um investigador paranormal famoso da época, chamado Harry Price, que se estabeleceu na fazenda para realizar um estudo científico adequado para tentar obter uma prova conclusiva da existência do mangusto. Ele reuniu uma equipe de investigadores e cientistas, porém a pesquisa foi muito mal sucedida. Price nunca conseguiu pegar nada além de algo como um vislumbre do animal, durante sua estada na Ilha. A prova resultante era fraca na verdade, composta por algumas fotografias desfocadas de algo nos campos em torno da fazenda. A melhor imagem, aparentemente, parece ser de um gato. Além disso, alguns pelos encontrados eram notavelmente semelhantes àqueles pertencentes ao cão dos Irwings, chamado de Mona pobre animal.

Voirrey e Mona
Voirrey e Mona

O Museu Britânico de História Natural, também estudou algumas das evidências e conserva os moldes das patas de uma impressão em argila que, segundo os Irwings, foi feita por Gef.

Supostas pegadas do Gef
Supostas pegadas do Gef

Voirrey Irving, que adotou Gef em sua casa, morreu em 2005. Em uma entrevista publicada no final de sua vida, ela sustentou que Gef não foi sua criação.

Mangusto da Índia verdadeiro
Mangusto da Índia verdadeiro

Cabe agora cada um de vocês julgarem a paradinha aí, tipo, eu já conversei com animais e tals, alguns até me respondiam legal, mas essa parada aí é meio sinistra né não?

Falando nisso, se alguém encontrar um mangusto falante e não quiser, pode me dar que eu crio de boa.

DOE ANIMAIS, NÃO JOGUE FORA!

Written by Kaoss Hum

Dica de postagens: https://www.facebook.com/kaoss.hum ou [email protected]

Comentários